iPhone com tela dobrável? Só em 2023, prevê analista

Para Ming-Chi Kuo, a Apple é a empresa que está mais bem posicionada para liderar as vendas de celulares com telas dobráveis; Samsung e Motorola lançaram aparelhos com displays dobráveis antes da fabricante do iPhone

Depois de fabricantes como Samsung, Motorola e Xiaomi, a Apple lançou o iPhone 12 com internet 5G no fim do ano passado, criando um ciclo de renovação de smartphones que fez a empresa americana se tornar a maior vendedora global de celulares no quatro trimestre de 2020. O próximo grande ciclo de renovação deve ocorrer em 2023, segundo o Ming-Chi Kuo, analista da TF International com mais de dez anos de experiência em previsões sobre a Apple. Kuo afirma que a Apple lançará um iPhone com tela dobrável nesse ano, o que levará um grande número de consumidores a trocar de aparelho.

Para Kuo, os celulares com telas dobráveis tornarão-se indispensáveis para fabricantes de smartphones dentro de dois anos e a Apple não ficará de fora dessa tendência.

O analista prevê que a empresa utilizará uma tela de 8 polegadas com tecnologia Amoled (displays hoje fornecidos pela Samsung). Kuo estima que a Apple venderá entre 15 e 20 milhões de smartphones com telas dobráveis em 2023 e está bem posicionada para ser a grande vencedora dessa tendência.

Celulares com telas dobráveis já foram apresentados por Samsung, Huawei e Motorola. A Samsung vende o Galaxy Z Fold 2 e o Galaxy Flip no Brasil, aparelhos que foram promovidos em uma prova no programa Big Brother Brasil, exibido pela Rede Globo, no mês passado. Já a Motorola fez o retorno do seu aparelho clássico Razr no começo de 2020.

"Atualmente, smartphones dobráveis integram, principalmente, o smartphone e o tablet. Mas acreditamos que o smartphone dobrável é apenas uma das aplicações do design dobrável. Prevemos que os dispositivos dobráveis irão confundir as segmentações de produtos entre smartphones, tablets e laptops no futuro. Com seus ecossistemas de produtos cruzados e vantagens de design de hardware, a Apple será a maior vencedora na nova tendência de dispositivos dobráveis", escreveu o analista, segundo nota obtida pelo site MacRumors, especializado na cobertura de Apple.

Kuo prevê ainda que serão necessários displays com tecnologia mais avançada do que a atual. Para ele, será preciso que as telas possam ser dobradas de várias maneiras, e não apenas uma como acontece hoje (ou elas se dobram na vertical ou na horizontal nos aparelhos vendidos hoje). Essa tecnologia é chamada de nanofio de prata e já é utilizada hoje no alto-falante inteligente HomePod, da Apple, o que pode viabilizar que a empresa domine o uso do componente, na visão do analista.

Como o novo iPhone e o leilão do 5G afetam a bolsa? Entenda assinando a EXAME

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.