Indústria de chips de Taiwan enfrenta dificuldades

Embora não estejam a ponto de quebrar, seis fabricantes de chips DRAM do país passam por momentos sensíveis e avaliam quais as opções para continuarem competitivas

São Paulo - As seis fabricantes de chips de memória DRAM de Taiwan estão enfrentando dificuldades para se manter nos negócios, diante da queda de preços e da feroz concorrência que as sobrecarrega com perdas. Embora não estejam a ponto de quebrar, está chegando a hora das empresas fazerem escolhas difíceis quanto ao seu futuro.

Os chips DRAM, presentes nos computadores, há muito são vistos como commodity, mas sua produção requer grandes investimentos para a manutenção da competitividade, apesar da contínua queda de preços: o recuo do começo de 2011 até agora é de 50%.

Para os fabricantes taiuaneses, os menores da indústria e desprovidos dos recursos generosos da líder setorial Samsung Electronics, as opções são adotar a produção de chips de valor mais elevado, formar parcerias com companhias estrangeiras a fim de ganhar escala, buscar ajuda do governo ou simplesmente aceitar o fim.

"O setor de DRAM é um mercado de crescimento zero", disse Andrew Norwood, analista do grupo de pesquisa tecnológica Gartner. "As pequenas empresas taiuanesas só tem a escolha de abandonar os chips DRAM ou desaparecer lentamente." Os seis fabricantes taiuaneses de memória DRAM são: Nanya Technology, Promos Tech e Winbond Electronics, que fabricam marcas próprias; e Inotera Memory, Powerchip e Rexchip, que são fabricantes terceirizados.

Os números demonstram as dificuldades que eles enfrentam. Os três fabricantes com marcas tem participação de mercado de menos de 7% ante os 45% da Samsung, no trimestre mais recente, e tiveram prejuízos totais combinados de cerca de US$ 215 bilhões de Taiwan (US$ 7 bilhões) de 2007 para cá. Além disso, o setor deve cerca de US$ 2 bilhões aos bancos com vencimento para o ano que vem, de acordo com a corretora Jih Sun Securities.

E os problemas não se limitam a Taiwan. A japonesa Elpida Memory oscila ao peso das dívidas, e a sul-coreana Hynix Semiconductor acaba de ser adquirida, depois de ser salva pelos credores de uma crise de dívida em 2001.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.