Tecnologia

Fundador do Megaupload segue em liberdade condicional

Justiça local rejeitou apelação da promotoria, que tentou ir contra a decisão de conceder liberdade ao líder do site

Dotcom foi detido em 20 de janeiro em sua mansão nos arredores de Auckland, junto a outros três diretores do Megaupload (Sandra Mu/Getty Images)

Dotcom foi detido em 20 de janeiro em sua mansão nos arredores de Auckland, junto a outros três diretores do Megaupload (Sandra Mu/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de fevereiro de 2012 às 09h11.

Sydney - Um tribunal da Nova Zelândia rejeitou nesta quarta-feira o recurso da promotoria contra a decisão de libertar o fundador do site Megaupload, Kim Schmitz, conhecido também como 'Dotcom', cuja extradição é requerida pelos Estados Unidos por suposta pirataria digital.

O Alto Tribunal da cidade de Auckland 'rejeitou a apelação' da promotoria, que representa o governo dos Estados Unidos, contra a decisão de outra instância judicial que na semana passada concedeu a liberdade condicional a 'Dotcom', informaram fontes judiciais à Agência Efe.

'Dotcom' foi detido em 20 de janeiro em sua mansão nos arredores de Auckland, junto a outros três diretores do Megaupload, no transcurso de uma operação policial internacional que incluiu o fechamento de seu portal de downloads na internet.

Acompanhe tudo sobre:CopyrightEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaInternetJustiçaMegauploadNova ZelândiaPaíses ricosSites

Mais de Tecnologia

Apagão cibernético afetou 8,5 milhões de computadores da Microsoft

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

Mais na Exame