Tecnologia

Fundador do Megaupload é solto após um mês sob custódia

O alemão Kit Dotcom foi preso em 20 de janeiro a pedido de autoridades norte-americanas, junto de outras três pessoas

No início deste mês, uma corte da Nova Zelândia negou recurso para Dotcom ser libertado sob pagamento de fiança (Sandra Mu/Getty Images)

No início deste mês, uma corte da Nova Zelândia negou recurso para Dotcom ser libertado sob pagamento de fiança (Sandra Mu/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de janeiro de 2013 às 15h23.

Auckland - O fundador do site de compartilhamento de arquivos Megaupload.com foi solto sob fiança nesta quarta-feira após um mês sob custódia, em meio aos preparativos para uma audiência de extradição nos Estados Unidos envolvendo acusações de pirataria na Internet e lavagem de dinheiro.

O alemão Kit Dotcom, que tem residência na Nova Zelândia e também é conhecido como Kim Schmitz e Kim Tim Jim Vestor, foi preso em 20 de janeiro a pedido de autoridades norte-americanas, junto de outras três pessoas.

Segundo a acusação, Dotcom comandava um grupo que lucrou 175 milhões de dólares desde 2005 ao copiar e distribuir, sem autorização, músicas, filmes e outros conteúdos protegidos por direitos autorais.

Os advogados de Dotcom dizem que a empresa apenas oferecia armazenamento online e que ele nega veementemente as acusações.

No início deste mês, uma corte da Nova Zelândia negou recurso para Dotcom ser libertado sob pagamento de fiança, concordando com a promotoria sobre o risco de que ele pudesse tentar fugir antes da audiência para extradição.

Nesta quarta-feira, o juiz Nevin Dawson concedeu a fiança sob condições rigorosas, alegando que nenhuma nova evidência de recursos secretos foi encontrada.

Acompanhe tudo sobre:CopyrightEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaHackersInternetJustiçaKim DotcomMegauploadNova ZelândiaPaíses ricosSites

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame