• BVSP 113.588,58 pts +1,2%
  • USD R$ 5,2972 +0,0080
  • EUR R$ 6,2229 +0,0406
  • ABEV3 R$ 15,91 +1,21%
  • BBAS3 R$ 29,53 +0,51%
  • BBDC4 R$ 20,35 +2,57%
  • BRFS3 R$ 23,6 +2,43%
  • BRKM3 R$ 57,36 +0,19%
  • BRML3 R$ 8,71 +0,93%
  • CSAN3 R$ 23,75 +1,67%
  • ELET3 R$ 38,96 +2,66%
  • EMBR3 R$ 23,61 +10,85%
  • Petróleo US$ 76,87 +0,89%
  • Ouro US$ 1.751,80 -1,52%
  • Prata US$ 25,28 +0,00%
  • Platina US$ 1.061,40 +0,00%

Facebook fica mais perto de 3 bilhões de usuários ativos e receita cresce em 2020

O número de usuários ativos da rede social atrai novos anunciantes, o que traz mais dinheiro para a companhia. Efeitos do WhatsApp devem aparecer no próximo trimestre

O Facebook e seus investidores têm motivos para comemorar nesta quarta-feira, 27. A rede social teve uma receita de 28 bilhões de dólares no último trimestre de 2020, o que representa um crescimento de 23,8% em relação a 2019, e chegou ainda mais perto da marca de 3 bilhões de usuários ativos mensais (MAU, na sigla em inglês), fechando o ano com 2,8 bilhões de pessoas online na plataforma.

O número de usuários ativos do Facebook tem uma importância significativa no mundo dos negócios e é olhado de perto por investidores no mundo todo, uma vez que indica quantas pessoas poderão ver os anúncios exibidos e ajuda as empresas a calcular quanto elas podem faturar ao anunciar na rede social.

Os anúncios também têm impactos diretos nos ganhos. Ao todo, a receita de publicidade do quarto trimestre era de 27,1 bilhões de dólares — no mesmo período de 2019, eram 20,7 bilhões de dólares.

Apesar do crescimento contínuo de usuários, é esperada uma desaceleração nos próximos meses. Isso porque o Facebook já saturou a maioria dos mercados globais — e o aumento rápido pode se tornar uma tarefa mais complicada nos próximos anos.

A receita total para o ano de 2020 foi de 86 bilhões de dólares, valor 21,8% maior do que o mesmo período do ano anterior.

A pandemia do novo coronavírus impulsionou o crescimento da receita da rede social. No ano passado, o Facebook apostou de vez no comércio eletrônico, de olho nas tendências de compras digitais, criando o Facebook Shops, serviço que permite que os vendedores criem vitrines na rede social e no Instagram, podendo até customizar a aparência do ambiente online.

"Isso significa que qualquer vendedor, não importa o tamanho de seu orçamento, pode digitalizar seu negócio e se conectar com clientes onde e da maneira que for mais conveniente para eles", afirmou a empresa. Com a ferramenta, os clientes podem entrar em contato com os lojistas por WhatsApp, Messenger ou Mensagem Direta, no caso do Instagram, para acompanhar as compras feitas.

Apesar dos bons resultados divulgados, nesta quinta a companhia de Mark Zuckerberg fechou o pregão em baixa, com queda de 3.51% no preço das ações, sendo avaliada em 775 bilhões de dólares. No fechamento desta quarta-feira, 26, o Facebook era avaliado em 804 bilhões de dólares.

A estimativa feita por analistas era de que a receita da rede social estaria na casa dos 26,3 bilhões de dólares, com cerca de 2,7 bilhões de usuários ativos no mundo todo. No último trimestre de 2019, a receita foi de 21,08 bilhões de dólares, com 2,5 bilhões de pessoas utilizando o Facebook.

Com as confusões relacionadas às políticas de compartilhamento de dados do WhatsApp, era esperado que os investidores pudessem perder mais de 2 bilhões de dólares — as perdas, no entanto, devem ficar para o primeiro trimestre de 2021.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.