Fabricantes de smartphones tentam atrair desenvolvedores

Apple e Google já assumiram posições de liderança na lucrativa batalha dos smartphones

Barcelona - O casamento forçado entre as plataformas para celulares inteligentes da Nokia e da Microsoft coloca os produtores e companhias de software em posição de destaque no Mobile World Congress, evento anual aberto nesta segunda-feira, em Barcelona.

Nokia e Microsoft, líderes mundiais em celulares e software, anunciaram uma ampla aliança na sexta-feira, que esperam ser capaz de dar às empresas oportunidade de criar um aparelho capaz de derrotar o iPhone.

Apple e Google já assumiram posições de liderança na lucrativa batalha dos celulares inteligentes, ao atrair hordas de programadores que criam pequenos aplicativos usados para ampliar as funções dos celulares inteligentes.

O Apple iPhone foi elogiado por seu design, quando lançado em 2007, mas foi a App Store que transformou o setor, ao permitir que os usuários personalizassem seus celulares por meio de jogos fáceis de instalar e outras ferramentas.

As vendas totais das lojas de aplicativos devem triplicar este ano e atingir os 15 bilhões de dólares, de acordo com a empresa de pesquisa Gartner.

"A maioria dos criadores de software estão trabalhando para Android e Apple; não querem trabalhar com outros sistemas, mesmo que sejam pagos para isso. Vai ser muito, muito difícil para os demais", disse Magnus Jern, presidente-executivo da Golden Gekko, criadora de software para aparelhos móveis.


A plataforma Android, sistema de fonte aberta lançado apenas dois anos atrás pelo Google, já chegou ao topo do mercado de celulares inteligentes, superando o Symbian, da Nokia, no final do ano passado.

Fabricantes de aparelhos como Samsung, HTC e Sony Ericsson adotaram o sistema, porque oferece recursos e funções que seriam difíceis de serem desenvolvidos de modo independente por elas mesmas com a mesma rapidez.

No domingo, Sony Ericsson e Samsung revelaram novos modelos Android; o da Sony Ericsson vinha sendo muito aguardado, porque leva a marca PlayStation ao mercado de celulares.

Muitos fabricantes também tentarão atrair criadores de software durante a feira, com eventos especiais dedicados a eles.

Um consórcio de operadoras de telefonia móvel, segmento que até o momento não se beneficiou do boom de aplicativos, lançará uma plataforma própria para eles, a WAC, na segunda-feira.

As operadoras esperam que sua loja de atacado, da qual as lojas individuais de cada operadora obterão conteúdo, tenha escala suficiente para combater Apple e Google.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.