• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Estudantes mexicanos regeneram ossos por impressão 3D

O material sintético utilizado já foi provado em roedores com sucesso, demonstrando ser compatível com o tecido vivo
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
Por EFEPublicado em 01/07/2017 15:10 | Última atualização em 01/07/2017 15:10Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Pueblo (México) - Três estudantes mexicanos desenharam um material sintético capaz de regenerar ossos dentro de estruturas geradas mediante uma impressora 3D, a partir de um modelo matemático que representa como as células atuam para gerar tecido ósseo.

"Consiste em gerar estruturas conhecidas como andaimes; são casas para as células que servem como suporte para que possam construir ossos dentro das mesmas", apontou à Agência Efe Irving Fernández Cervantes, um dos membros da equipe.

Uma impressora 3D se encarrega de dar forma a estas estruturas, que mediante uma cirurgia foram implantadas na parte de osso danificado e em 28 dias foi comprovado que o material é reabsorvido pelo corpo e o osso fica regenerado.

"A genialidade é que este material foi desenhado a partir de um modelo matemático que representa como o osso se regenera", disse Fernández, do Centro de Pesquisa Científica de Yucatán. Isso permite realizar os processos de geração de material em massa e reduzir os custos em até 60%.

O material sintético utilizado já foi provado em roedores com sucesso, demonstrando ser compatível com o tecido vivo.

O alcance deste projeto revolucionaria o modo em que atualmente são tratadas as fraturas, indicou à Agência Efe Brenda Lizbeth Arroyo Reyes, graduada em Biologia da Benemérita Universidade Autônoma de Puebla e membro da equipe de trabalho.

De acordo com Arroyo, este método poderá ser usado "se houver algum tipo de fratura, seja de terceiro grau, quando o osso vai ser comprometido, ao invés de ser substituído por algum tipo de metal que dois anos depois já não serve ou já oxidou".

"Este material ajudará a reconstruir esse osso e ao invés de ter um implante, seria seu próprio osso", afundou.

O projeto, intitulado "Processamento de biomateriais compostos com morfologia de tecido ósseo por meio de impressão 3D" foi reconhecido pela Academia de Engenharia do México e a Fundação UNAM A.C. com o Prêmio Javier Barros Sierra 2017.

Este prêmio tem o objetivo de apoiar estudantes mexicanos de instituições educativas de nível superior do país para que criem propostas de solução a assuntos relevantes da realidade mexicana.

A terceira integrante da equipe ganhadora foi Patricia Victoria Pérez Luna, formada em Engenharia de Materiais da Benemérita Universidade Autônoma de Pubela.

Após três anos de trabalho, agora os estudantes buscam a certidão do material por parte da Comissão Federal para a Proteção contra Riscos Sanitários (Cofepris) para continuar com a pesquisa com animais de maior tamanho até finalmente o método poder ser aplicado em humanos. EFE