Empresas dos EUA reduzem instalações de robôs em 2019

Os envios de robôs caíram para 23.758, uma queda de mais de 16%, de acordo com dados divulgados nesta terça

Reuters – A invasão dos robôs desacelerou um pouco no ano passado.

As empresas norte-americanas instalaram menos robôs em 2019 do que no ano anterior, a primeira queda desde 2015, conforme uma desaceleração na produção alimentada pela guerra comercial e uma demanda mais fraca, que diminuiu o apetite pelas máquinas.

Os envios caíram para 23.758 robôs, uma queda de mais de 16%, de acordo com dados vistos pela Reuters que foram divulgados nesta terça-feira pela Association for Associação de Automação Avançada, um grupo da indústria com sede em Ann Arbor, Michigan.

Um dos principais objetivos do presidente Donald Trump tem sido trazer empregos em fábricas de volta aos Estados Unidos, presumivelmente auxiliado por novas automações e robótica que permitiriam que as fábricas domésticas competissem com a mão de obra mais barata na China e em outros países de baixo custo. Mas essa tendência parece ter sido sobrecarregada por uma desaceleração maior na manufatura.

 

Alexander Shikany, vice-presidente da Associação de Automação Avançada, disse que a desaceleração deve durar pouco. As encomendas de novos robôs na América do Norte, uma medida separada que dá a noção de quantas máquinas serão instaladas nos próximos meses, aumentaram no ano passado em 1,6%, para 29.988 unidades, observou Shikany.

O maior impulsionador desse crescimento foi um salto de mais de 50% nas encomendas das montadoras, que segundo Shikany, estão fazendo dos robôs parte de seus investimentos na próxima onda de tecnologia automotiva.

A maior montadora dos EUA, General Motors, por exemplo, anunciou recentemente que estava investindo 2,2 bilhões de dólares na produção de picapes elétricas e veículos elétricos autônomos em sua fábrica na área de Detroit, em Hamtramck, Michigan.

A Hytrol Conveyor, uma empresa de capital fechado em Jonesboro, Arkansas, que produz esteiras transportadoras e teve vendas no ano passado de mais de 200 milhões de dólares, não reduziu as instalações de robôs em 2019. Com a demanda de empresas de comércio eletrônico e outras operações de galpões em expansão, a empresa gastou 1,9 milhão de dólares no ano passado para ajudar a automatizar sua linha de montagem.

David Peacock, presidente da empresa, disse que a empresa percebeu há três anos que teria problemas em acompanhar o crescimento da demanda sem mais robôs.

Os investimentos não cortaram empregos. O número de funcionários na fábrica da Hytrol Conveyor aumentou 18% nos últimos três anos, para 1.300 trabalhadores. Enquanto isso, as receitas aumentaram em quase um quarto.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.