Tecnologia
Acompanhe:

Empresa chinesa ByteDance admite usar TikTok para rastrear jornalistas

O TikTok fez um grande esforço para convencer usuários e governos em grandes mercados como os Estados Unidos de que protege a privacidade dos dados e não representa uma ameaça à segurança nacional

TikTok: Há muito tenta convencer clientes e governos de que seus dados estão protegidos e que a empresa não representa uma ameaça à segurança nacional (AFP/AFP Photo)

TikTok: Há muito tenta convencer clientes e governos de que seus dados estão protegidos e que a empresa não representa uma ameaça à segurança nacional (AFP/AFP Photo)

A
AFP

23 de dezembro de 2022, 09h40

Funcionários da empresa de tecnologia chinesa ByteDance acessaram indevidamente dados privados da rede social TikTok, filial do grupo, para rastrear jornalistas e localizar a origem de vazamentos para a mídia, admitiu a empresa nesta sexta-feira (23).

O TikTok fez um grande esforço para convencer usuários e governos em grandes mercados como os Estados Unidos de que protege a privacidade dos dados e não representa uma ameaça à segurança nacional. 

Mas a matriz ByteDance disse à AFP nesta sexta-feira que vários funcionários acessaram os dados de dois jornalistas como parte de uma investigação interna sobre vazamentos de informações da empresa. 

O objetivo era identificar ligações entre a empresa e um repórter do Financial Times e um ex-jornalista do BuzzFeed, de acordo com um e-mail do conselheiro geral da ByteDance, Erich Andersen, ao qual a AFP teve acesso.

Ambos os jornalistas relataram o conteúdo de documentos vazados da empresa.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Em comunicado à AFP, a ByteDance condenou a "iniciativa equivocada que violou gravemente o código de conduta da empresa".

Os funcionários obtiveram os endereços IP dos repórteres para determinar se eles coincidiam em algum local com seus colegas da ByteDance suspeitos de vazar as informações, de acordo com Andersen.

O plano não funcionou, em parte porque os endereços IP revelam apenas geolocalizações aproximadas.

De todo modo, Andersen explicou em seu e-mail que nenhum dos funcionários envolvidos no caso ainda trabalha ByteDance, embora não tenha detalhado quantos foram demitidos.

O TikTok está de volta aos holofotes nos Estados Unidos em um momento em que o Congresso busca proibir em todo o país o uso dessa popular plataforma de vídeos curtos em dispositivos governamentais por motivos de segurança.

A rede social tentou convencer as autoridades americanas de que os dados desse país estão protegidos e armazenados em servidores localizados dentro do seu território.

Mas depois de alguns relatos da imprensa, também admitiu que funcionários na China tiveram acesso a dados de usuários dos EUA, teoricamente em circunstâncias específicas e muito limitadas.

LEIA TAMBÉM: