WhatsApp força compartilhar dados com Facebook -- e Elon Musk sugere sugere alternativa

Por causa da alta demanda, aplicativo atrasou envio de códigos de verificação para novos usuários

Com a publicação de uma simples mensagem no Twitter, o CEO da Tesla e da SpaceX, Elon Musk, provocou uma corrida nesta quinta-feira para o aplicativo de mensagens Signal, concorrente do WhatsApp e do Telegram. A procura foi tanta que a organização que mantém o app não conseguiu lidar com a demanda, atrasando o envio de códigos de verificação para novos usuários.

“Os códigos de verificação estão atrasados em vários servidores porque muitas pessoas novas estão tentando se inscrever no Signal agora”, afirmou o Signal, também pelo Twitter. “Estamos trabalhando com as operadoras para resolver isso o mais rapidamente possível”.

Sem explicar o motivo, Musk, que hoje se tornou o homem mais rico do planeta, escreveu: “Use Signal”. Com mais de 41,5 milhões de seguidores, a mensagem foi recebida por muitos. A repercussão foi tão grande que as ações da Signal Advance, que desenvolve equipamentos médicos e nada tem a ver com o aplicativo, dispararam mais de 500%.

Edward Snowden, que denunciou esquemas de espionagem do governo americano e é entusiasta do Signal, ajudou na "tradução" da mensagem "para aqueles que não falam a língua do Elon", indicando a conta do aplicativo na rede social.

A publicação da mensagem por Musk acontece poucos dias após o WhatsApp anunciar mudanças nos termos de uso e nas políticas de privacidade. No último dia 4, as regras do aplicativo mudaram, levantando dúvidas sobre a privacidade. Agora, a empresa deixa claro que usa “endereços de IP e outras informações, como o código de área do telefone” para estimar a localização do usuário, o que não acontecia antes.

Sobre o uso das informações coletadas, as políticas de privacidade do WhatsApp informam agora que elas servem para “conectar nossos serviços com produtos da Facebook Company que você talvez use”. Regras sobre o compartilhamento de informações e de interações com outras empresas do grupo também foram alteradas.

O Signal é um aplicativo de mensagens como o WhatsApp, mas promete maior segurança e privacidade. Ele é mantido por uma fundação sem fins lucrativos e é responsável pelo desenvolvimento da criptografia ponta a ponta usada pelo próprio WhatsApp.

A Signal Technology Foundation foi criada cofundador do WhatsApp Brian Acton e pelo empreendedor Moxie Marlinspike, um dos nomes mais respeitados no campo da criptografia.

Moxie desenvolveu, há uma década, sistemas de criptografia para mensagens SMS e chamadas telefônicas, pela Whisper Systems, que foi comprada em 2011 pelo Twitter.

Dois anos depois, Moxie fundou a Open Whisper Systems, onde desenvolveu o protocolo Signal, que é usado pelo próprio Signal e pelos mensageiros WhatsApp, Facebook Messenger e Skype. Em 2018, o aplicativo passou a ser mantido pela fundação, que opera com doações.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.