Dia dos solteiros não empolga na China e Alibaba relata crescimento em vendas mais tímido

O desinteresse pela data comercial é o mais novo sinal de que o consumidor chinês está pressionado pela política de covid zero do país
Varejo na China: vendas no Dia dos Solteiros totalizaram US$ 43 bilhões (Tao Zhang/Getty Images)
Varejo na China: vendas no Dia dos Solteiros totalizaram US$ 43 bilhões (Tao Zhang/Getty Images)
A
André Lopes

Publicado em 14/11/2022 às 14:52.

Última atualização em 17/11/2022 às 16:34.

O maior festival anual de compras da China, o Dia dos Solteiros, teve o crescimento mais fraco desde que o gigante do comércio eletrônico Alibaba o lançou em 2009. A percepção é o mais novo sinal de sentimento deprimido do consumidor chinês sob a rigorosa política de covid-19 do país.

No detalhe, essa foi a primeira vez o Alibaba não divulgou os números exatos obtidos na data e se ateve apenas em dizer que eles estavam alinhados com o desempenho do ano passado. Em 2021, o Alibaba faturou ao todo US$ 84,5 bilhões, um aumento de 8,5% em relação a 2020, no entanto, o menor já registrado.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O sumiço dos números recordes também ocorreram no relatório da rival JD.com, que disse apenas que as vendas atingiram uma nova alta e que o crescimento foi mais rápido do que a média do setor.

De acordo com o provedor de dados de mercado Syntun, as vendas online na China na quinta, 10, e sexta-feira, 11, totalizaram US$ 43 bilhões nos principais varejistas, com base em transações em dezenas de plataformas. A Syntun atribuiu 61% do total de vendas à plataforma principal do Alibaba, a Tmall, e 27% ao JD.com. Mas segundo dados divulgados pelos varejistas chineses, no ano passado o valor arrecado internamente foi de US$ 74 bilhões.

O temor em revelar os números, além de apontar o fim de período explosivo de crescimento, deve-se também por entregar que a abordagem de tolerância zero de Pequim para sufocar os surtos de covid-19 está prejudicando a atividade comercial como um todo na China.

Em uma tentativa de mitigar os efeitos, o governo aliviou alguns controles de pandemia na sexta-feira, 11, mas pode ter sido tarde.

Junto das vendas amenas, corroboram com a tese de que o comércio começa a ir mal os números do desemprego urbano que subiu para 5,5% em setembro, ante 5,3% em agosto.

Os ventos econômicos contrários e a pandemia que não dá trégua levaram muitos consumidores chineses a ajustar a maneira como vivem, abandonando o foco em bens de luxo e concentrando-se em itens essenciais.

Uma pesquisa do serviço de pesquisas do Southern Metropolis Daily, um jornal com sede na cidade de Guangzhou, descobriu que 24% dos entrevistados não iriam aproveitar os descontos do Dia dos Solteiros deste ano, em comparação com 12% no ano passado e 6% em 2020. Um terço dos que passaram no Dia dos Solteiros deste ano citou reduções de renda.

Mas não significa que a data caminha para o fracasso. Segundo o próprio Alibaba, mais de 300 milhões de compradores assistiram a programas de transmissão ao vivo hospedados no Taobao Live durante todo o período de vendas. Mesmo que isso não signifique uma conversão em vendas, há o indicador de que os consumidores ainda se interessam por novos produtos e promoções.

Contudo, é preciso levar em conta também que o Dia dos Solteiros evoluiu de apenas um dia de compras para um evento de uma semana e hoje gera oito vezes mais receita do que as contrapartes americanas Black Friday e da Cyber ​​Monday combinadas. Além disso, a experiência chinesa em logística e tecnologia já se infiltrou no comercio de importação de outros países e, nesse quesito, é certo que a China não retrocede.