Crise dos semicondutores: empresa avisa sobre impacto massivo na produção

A pandemia acelerou a adoção de novas tecnologias e prejudicou a cadeia de fornecimento do setor. Agora, um incêndio pode causar atrasos na produção de eletrônicos - de carros a smartphones
 (Renesas/Divulgação)
(Renesas/Divulgação)
L
Lucas Agrela

Publicado em 21/03/2021 às 15:25.

Última atualização em 21/03/2021 às 15:26.

A crise dos semicondutores no mundo ganhou um novo capítulo: a Renesas Electronics, uma das maiores fabricantes de chips do mundo, avisou que um incêndio em uma de suas fábricas pode ter impacto massivo na sua produção. A companhia parou a sua produção no local por, ao menos, um mês, de acordo com o jornal americano Financial Times.

Que tal viajar mais no mundo pós-pandemia? Conheça o curso de liberdade financeira da EXAME Academy

A companhia é uma das principais fornecedoras para o mercado automotivo. O caso acontece em meio à escassez global de semicondutores, que afeta, também, os mercados de celulares e equipamentos conectados em geral. 

O incêndio aconteceu em uma das fábricas da Renesas Electronics no norte do Japão e queimou 2% do maquinário. A empresa é a mesma que anunciou a intenção de comprar Dialog, fornecedora da Apple, por 4,9 milhões de euros. A proposta será mantida diante dos novos acontecimentos.

A falta de semicondutores pode atrasar a produção de equipamentos eletrônicos no mundo, desde um celular até um carro, passando por uma ampla gama de produtos que utilizam chips.

Em entrevista para a emissora americana Bloomberg concedida na última semana, Cristiano Amon, eleito CEO da Qualcomm, informou esperar que a demanda e a oferta estejam equilibradas ao fim do ano na empresa. Os chips da companhia americana são utilizados em smartphones das principais fabricantes do ramo, como Samsung, Motorola, Apple e Xiaomi.