Com silêncio sobre casos de assédio, Uber pode ser suspensa na Califórnia

Empresa foi multada em US$ 59 milhões por se esquivar de perguntas sobre casos de assédio sofridos durante viagens no aplicativo

O nome da Uber está mais uma vez envolvido em casos de assédio. A companhia americana foi multada em 59 milhões de dólares por não responder perguntas de órgãos reguladores na Califórnia em relação a segurança dos passageiros do aplicativo de transporte. Especialmente no que diz respeito a casos de assédio sofridos pelos usuários durante as viagens.

A empresa tem 30 dias para pagar a multa à Comissão de Serviços Públicos da Califórnia (CPUC, na sigla em inglês) e responder às perguntas do órgão. Caso não faça isso, o serviço corre o risco de ser suspenso no estado, conforme foi decidido em tribunal e reportado pelo jornal americano The San Francisco Chronicle.

É preciso destacar que a própria Uber reconheceu a importância do relatório que relatou milhares de casos de agressões sexuais nos EUA entre 2017 e 2018. Na época, a companhia afirmou que o documento de 84 páginas era “chocante”. Entretanto, conforme lembra o The Verge, a Uber também afirmou que o relatório não “avaliou ou tomou qualquer posição sobre se algum dos incidentes relatados realmente ocorreram”.

Após a divulgação do relatório, a CPUC entrou em contato com a Uber para questionar sobre as práticas de segurança e os detalhes sobre os casos de assédio. A companhia nunca respondeu às perguntas, alegando que isso poderia ser um risco à privacidade dos sobreviventes das agressões e dos funcionários da empresa.

Em janeiro deste ano, uma decisão judicial impediu a Uber de arquivar o caso por confidencialidade e obrigou a companhia a responder às questões. Mesmo assim, a Uber continuou mantendo o silêncio em relação ao assunto durante o ano. A decisão mais recente da CPUC pode, finalmente, ser o capítulo final desta novela.

Desde que assumiu o comando da companhia, no final de 2017, o presidente Dara Khosrowshahi  afirmou por diversas vezes que seu objetivo era mudar a cultura interna da empresa. A Uber foi duramente criticada por atitudes de seu ex-presidente e fundador, Travis Kalanick, em relação a casos de assédio reportados por funcionários da Uber.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.