Clubhouse entra na mira de reguladores por infração de privacidade

A França avalia se o aplicativo, baseado nos EUA, está sujeito à legislação de privacidade da União Europeia, que prevê multa
Clubhouse: aplicativo tem versão apenas para iPhone e é investigado quanto à privacidade dos seus usuários (Thomas Trutschel/Photothek/Getty Images)
Clubhouse: aplicativo tem versão apenas para iPhone e é investigado quanto à privacidade dos seus usuários (Thomas Trutschel/Photothek/Getty Images)
Por Lucas AgrelaPublicado em 21/03/2021 14:03 | Última atualização em 21/03/2021 14:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O aplicativo de áudios Clubhouse está na mira da entidade francesa de proteção de dados chamada Commission Nationale de l'Informatique et des Libertés. A investigação apura se o aplicativo infringiu regras da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, conhecida pela sigla GDPR, em inglês. A legislação prevê multa.

Que tal viajar mais no mundo pós-pandemia? Conheça o curso de liberdade financeira da EXAME Academy

Como a companhia não tem presença na União Europeia, a primeira questão feita pela entidade reguladora é se a GDPR se aplica ou não ao Clubhouse. Em caso negativo, o governo francês pode multar e fazer sanções à companhia.

A investigação foi aberta após uma petição online reunir mais de 10 mil assinaturas. O documento questionava o uso de contatos do celular pelo aplicativo. Uma petição similar no Reino Unido já tem mais de 25 mil assinaturas e o Clubhouse deve entrar na mira das entidades reguladoras do país.

Em nota, a empresa se defendeu das acusações e disse estar colaborando com autoridades para resolver o caso. “Conforme expandimos nossa operação baseada nos EUA para novas regiões, nós sempre iremos buscar atender e exceder as leis de proteção de dados de todos os territórios onde operamos", segundo comunicado da companhia, enviado ao site americano Insider.

Problema vem desde o sucesso do app

O Clubhouse ganhou grande atenção mundial no começo desde ano e olhos atentos de usuários e concorrentes não deixaram passar questões ligadas à privacidade.

Em fevereiro, os desenvolvedores do aplicativo disseram que irão adicionar uma camada extra de criptografia para prevenir que o aplicativo transmita informações em servidores localizados na China. A declaração foi dada após pesquisadores da Universidade de Stanford terem descoberto vulnerabilidades na infraestrutura do Clubhouse. O Clubhouse disse que iria incluir bloqueios e criptografia para impedir que o app transmita informações para servidores chineses.

EXAME Flash - Resumo da semana