CEO diz que futuro do Airbnb inclui ‘morar’, não apenas viajar

A tendência de estadias de longa duração deve remodelar os negócios da plataforma de hospedagens

Por Eric Rosen, da Bloomberg

A covid-19 precipitou “a mudança mais profunda nas viagens desde o avião”, diz Brian Chesky, CEO e cofundador do Airbnb. Em entrevista por Zoom para a Bloomberg, logo depois de apresentar uma reformulação do site com 100 melhorias (em grande parte pequenos detalhes), Chesky explicou o que quis dizer com isso.

O ponto fundamental da mudança, diz, é que “os limites entre viajar, trabalhar e morar estão se misturando”. É algo que o executivo tem afirmado há meses, embora agora - com a poeira baixando - haja maior clareza sobre o que isso significa.

Trabalhar em casa estimulou a flexibilidade em termos de onde e como as pessoas vivem ou quanto tempo permanecem no mesmo lugar. “Quando você vai a algum lugar por 28 dias ou mais, provavelmente não está mais viajando”, diz. “Nesse ponto, 24% do nosso negócio é realmente morar - não somos mais apenas uma empresa de viagens.”

A tendência de estadias de longa duração remodela os negócios do Airbnb. Muito distante da história da origem da empresa de dormir no sofá para uma convenção de negócios, está a pedra angular do novo estilo de vida nômade digital: meses de inverno em Miami e Aspen, complementados por temporadas de verão em Nova York, São Francisco ou Hamptons, em Long Island. Embora esse estilo de vida existisse antes da pandemia, não era para as massas.

“Você tinha que ser rico para morar em outro lugar durante o verão, mas as pessoas podem adiar os custos agora alugando [sua casa principal] no Airbnb quando estiverem fora. Pode até se tornar uma possibilidade neutra de gastos”, diz, prenunciando um mundo em que o Airbnb substitui os mercados locais por imóveis sazonais.

O fato de Chesky ver uma oportunidade para o Airbnb após a pandemia não é surpresa. A empresa se recuperou com um forte desempenho no verão do hemisfério norte em 2020, após o choque inicial da Covid-19 ter impactado 80% dos negócios. Agora, o Airbnb emerge dos últimos 16 meses em melhor forma do que a maioria das empresas de viagens. O valor de mercado da empresa ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões e superou expectativas após a tão esperada oferta pública inicial em dezembro. E, embora tenha atingido a máxima de US$ 219 por ação em fevereiro, a cotação atual de US$ 134 reflete uma queda de US$ 10 em relação ao pico inicial.

Essa vantagem está desaparecendo, no entanto, à medida que o resto do mundo começa a encontrar sua base pós-pandemia. Considerando que o aluguel de residências particulares ofereceu um ambiente com privacidade e controles para o distanciamento social em 2020, um relatório sobre viagens de verão de 25 de maio da Deloitte mostra que o desejo pela hospitalidade voltou: cerca de 85% dos turistas americanos têm optado por hotéis. Com as escolas retornando à capacidade total no quarto trimestre, também resta saber se a flexibilidade oferecida por grandes corporações das quais dependem as previsões de Chesky continuará a existir após 2021.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.