Tecnologia

Brasil está entre os cinco países mais atacados por ransomware

Só nos quatro primeiros meses do ano foram bloqueadas 46 bilhões de ameaças em todo o mundo, sendo mais de 3,5 milhões do tipo que sequestra os dados da empresa

Payments System Hacking. Online Credit Cards Payment Security Concept. Hacker in Black Gloves Hacking the System. (Royalty-free/Getty Images)

Payments System Hacking. Online Credit Cards Payment Security Concept. Hacker in Black Gloves Hacking the System. (Royalty-free/Getty Images)

Publicado em 3 de julho de 2024 às 14h13.

Última atualização em 3 de julho de 2024 às 14h14.

Os cibercrimes seguem em expansão. Um relatório da Trend Micro, líder global em soluções de cibersegurança, revelou que, nos primeiros quatro meses de 2024, foram bloqueadas 46 bilhões de ameaças cibernéticas, representando 28,5% do total registrado em 2023, que alcançou 161 bilhões.

As campanhas de malware somaram mais de 2,3 milhões de ataques entre janeiro e abril deste ano, tendo como principais alvos os setores governamental, educacional, industrial, de saúde e tecnologia. Japão (28,8%), Estados Unidos (17%), Alemanha (4,4%), Taiwan (4,4%) e Índia (4,1%) foram os países mais atingidos nesse período.

Ransomware em alta

Pela primeira vez no ano, o Brasil entrou na lista dos cinco países mais afetados por ransomware. Esse tipo de malware sequestra dados digitais e exige resgate em dinheiro ou criptomoedas. Em 2024, já foram registrados mais de 3,5 milhões de ataques desse tipo.

Em abril, a Tailândia liderou o ranking de casos de ransomware com 44,1%, seguida pelos Estados Unidos (24,3%), Turquia (8,8%), Alemanha (2,7%) e Brasil (1,8%).

As ameaças de ransomware, que chegaram ao pico de mais de 1 bilhão de registros em 2016, vêm caindo nos últimos anos, totalizando 14 milhões de ameaças bloqueadas pela Trend Micro em 2023. Segundo Rayanne Nunes, diretora de Tecnologia da Trend Micro Brasil, há uma tendência de menos ataques massivos e um aumento nas explorações exclusivas com novas variantes de malware e ransomware. Nunes aponta que a dark web tem facilitado o acesso a pacotes de ataques, fragmentando o ecossistema e simplificando as operações de cibercrime.

Empresas de tecnologia foram os principais alvos de ransomware em abril, seguidas pelos setores governamental, de saúde, financeiro e industrial. As famílias de ransomware mais ativas no período foram WannaCry, Lockbit, Locky, Cerber e Gandgrab.

Phishing em ascensão

O trabalho híbrido global trouxe novos desafios de segurança cibernética, principalmente em e-mails. Em 2023, 46% das ameaças bloqueadas pela Trend Micro ocorreram via e-mail. Nos Estados Unidos, esse tipo de ataque representou 28,1% dos registros em abril, seguidos por Índia, China, França e Reino Unido.

Embora tenha havido uma redução de 45% nos ataques com arquivos de spam em 2023, os cibercriminosos estão incorporando links de phishing em anexos maliciosos, dificultando a detecção. Nos quatro primeiros meses de 2024, quase 3,5 milhões de arquivos maliciosos foram enviados como spam, com destaque para os com extensão .PDF, que somaram mais de 1,5 milhão apenas em abril.

Confira outras pesquisas sobre o setor de tecnologia

Acompanhe tudo sobre:HackersPesquisa

Mais de Tecnologia

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Elon Musk decide transferir sedes da SpaceX e X para o Texas

81% da Geração Z no Brasil deixa de usar apps por preocupações com privacidade, diz pesquisa

O que é a Wiz, empresa que pode ser comprada por R$ 124 bilhões pelo Google

Mais na Exame