• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Bezos vs. Musk: Internet via satélite é o centro da luta entre os gigantes

A Amazon (AMAZ34) assinou contratos de US$ 10 bilhões para enviar em órbita 3215 satélites
 (Getty Images/Bloomberg / Getty)
(Getty Images/Bloomberg / Getty)
Por Carlo CautiPublicado em 06/04/2022 19:25 | Última atualização em 06/04/2022 19:54Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O desafio entre os dois homens mais ricos do mundo, Jeff Bezos e Elon Musk, ganhou um novo episódio, dessa vez ligado à internet via satélite.

A Amazon (AMAZ34) assinou acordos com três importantes indústrias espaciais para um total de 83 lançamentos nos próximos cinco anos.

Esse é provavelmente o maior contrato global já assinado neste setor, com um valor de até US$ 10 bilhões (cerca de R$ 48 bilhões).

Ao todo, serão enviados para o espaço 3215 satélites, que voarão em órbita baixa, entre 590 e 630 quilômetros acima do solo e em 98 planos orbitais diferentes.

Esse enorme número de satélites constituirão a constelação prevista pelo Projeto Kuiper para distribuir internet de banda larga na Terra, especialmente para milhões de pessoas que, até mesmo nos EUA, atualmente não têm acesso a conexões adequadas ou sequer estão conectadas à internet.

Até esse ponto, nada de tão fora do comum na rivalidade empresarial entre Musk e Bezos.

O fato intrigante é que o presidente da Kuiper System, afiliada da Amazon encarregada da tarefa de realizar o projeto, é Rajeev Badyal, ex-vice-presidente da SpaceX, demitido sumariamente por Musk em 2018.

Mega-contrato assinado pela Amazon

As empresas envolvidas no mega-contrato são a europeia Arianespace com seu novo foguete Ariane 6; a Blue Origin, que também é de Bezos, com o lançador New Glenn; e a United Launch Alliance, com seu Vulcan Centaur.

O sistema de distribuição de satélites, uma vez colocado em órbita, será construído pela Beyond Gravity, empresa suíça com filiais em doze países.

O interessante é que nenhum dos três sistemas de lançamento planejados está operacional no momento. O Ariane 6 tem seu primeiro lançamento previsto para o outono deste ano.

A Amazon confirma o anúncio feito meses atrás, que teria utilizado vários foguetes e não apenas o próprio Blue Origin, e dá um passo fundamental para a realização da sua constelação de satélites dentro do prazo previsto.

Enquanto isso, dois outros elementos importantes do projeto estão sendo realizados: uma antena de alto desempenho cinco vezes menor do que os padrões utilizados atualmente na frequência usada, 17-30 gigahertz, e um sistema de 17 antenas para monitoramento e comunicação com satélites, que também estarão disponíveis para outros clientes que queiram utilizá-las.

No geral, o Projeto Kuiper, que começou em 2019, está mantendo o cronograma da melhor maneira possível e, assim, se torna um concorrente sério para a SpaceX de Elon Musk, mas também para a outra empresa, a Oneweb.

Juntas, as três colocarão em órbita cerca de 10 mil satélites nessas altitudes.

Até o espaço está se tornando congestionado. Tanto que a poderosa autoridade aeronáutica e espacial americana FAA colocou como condição: quem chegar por último não deve interferir com os satélites já presentes. Isso tudo, na ausência de uma legislação internacional adequada que discipline o tráfico espacial.