Apple se torna 1ª americana a valer US$ 2 tri — e depende menos do iPhone

Os bons resultados da gigante acontecem em meio a situações que seriam extremamente complicadas para empresas menores

A Apple se tornou nesta quarta-feira, 19, a primeira empresa americana a ter um valor de mercado de 2 trilhões de dólares, impulsionada principalmente por novos produtos, como assinaturas de serviços (que incluem a Apple Music, a Apple TV, o iCloud e o Apple Arcade), e deixando cada vez mais para trás a dependência do iPhone.

Às 11h58 de hoje, os papéis da empresa eram operados por 467,84 dólares nas bolsas americanas. As ações da Apple já acumulam uma alta anual de 60% em 2020.

Desde o lançamento do iPhone, em 2008, a receita anual da Apple subiu de 37,5 bilhões de dólares para 260 bilhões de dólares, um salto de 593% em 12 anos. Nesse período, o celular evoluiu, e muito.

O aparelho que combina telefone, reprodutor de MP3 e sistema móvel de telecomunicações nasceu sem uma loja de aplicativos, a App Store, que faturou 54,2 bilhões de dólares só em 2019, crescimento de 16,3% em um ano, segundo a consultoria Sensor Tower.

A empresa também conta hoje com serviços de streaming de música, o Apple Music, jogos, o Apple Arcade, e séries, o Apple TV+. Com isso, o setor de serviços da companhia a cada trimestre, e já compõe 13,1 bilhões de dólares do faturamento da companhia globalmente, segundo dados do último trimestre.

Em 2018, a Apple também bateu outra marca histórica quando se tornou a primeira empresa do mundo a ultrapassar o valor de mercado de 1 trilhão.

Os 2 trilhões de dólares distanciam a Apple das demais big techs dos Estados Unidos. A Amazon, que também tem colhido bons frutos em meio à pandemia do novo coronavírus, tem um valor de mercado de 1,65 trilhões de dólares, enquanto a Microsoft chega a 1,59 trilhões de dólares, o Google a 1,04 trilhões de dólares e o Facebook a 742,8 bilhões de dólares.

Apesar de ser a primeira americana a alcançar o valor de 2 trilhões de dólares, a Apple não é a primeira do mundo nesse quesito. Isso porque no final de 2019 a Saudi Aramco, maior petrolífera estatal saudita, chegou antes a esse valor de mercado.

O momento da maçã

Os bons resultados da gigante de tecnologia acontecem em meio a situações que seriam extremamente complicadas para empresas menores, como a pandemia e uma batalha espinhosa com outras companhias, entre elas a Epic Games, criadora do Fortnite, que foi banida da App Store após discordâncias. A Apple também não está sendo vista com bons olhos pela Microsoft e pelo Facebook, que acusam a empresa de monopolizar a sua loja de aplicativos.

Essa não é a primeira (e nem a última) vez que a Apple barra conteúdos semelhantes aos próprios. Apesar de permitir o aplicativo da Amazon, é impossível comprar livros para o Kindle em iPhones, uma vez que a companhia criada por Steve Jobs tem seu próprio serviço de compra de livros, o Apple Books.

É também possível instalar o aplicativo do Google Play Filmes, ver a biblioteca se o usuário já tiver comprado filmes, mas não adquirir novas produções nos dispositivos Apple, uma vez que ela tem seu próprio serviço de compra de filmes e outros podem ser adquiridos na Apple TV.

O iPhone ainda é o carro-chefe dos lucros da Apple, faturando mais de 20 bilhões de dólares por trimestre. No entanto, a competição tem ficado cada vez mais acirrada nesse mercado.

No ano passado, de acordo com dados das consultorias Canalys, Strategy Analytics e Counterpoint Research, a Apple perdeu a vice-liderança do setor global de celulares para a chinesa Huawei, enquanto a Samsung se manteve no topo.

A Apple, maior empresa de capital aberto do mundo, agora é também mais valiosa do que o Brasil. Desde terça-feira, a gigante ultrapassou a marca de US$ 1,88 trilhão em valor de mercado. Em comparação, o Produto Interno Bruto do País foi de US$ 1,84 trilhão em 2019, o nono no ranking internacional, segundo o Banco Mundial.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.