Após superar a Apple, Xiaomi revela resultados financeiros do 3º trimestre

Companhia ultrapassou a rival americana na venda de celulares do trimestre. A expectativa agora é ver como isso vai se refletir nos números do período

Com alta expectativa do mercado, a fabricante de eletrônicos chinesa Xiaomi revela na manhã desta terça-feira (24) os resultados financeiros do terceiro trimestre do ano. No dia anterior da divulgação dos números, as ações da companhia já haviam subido mais de 8% no pregão, um sinal de que o mercado está animado com os números que a a fabricante de produtos eletrônicos vai apresentar.

A consultoria financeira UBS estima que a Xiaomi deve reportar entre 38 milhões e 43 milhões de celulares vendidos no período. É um número menor do que o previsto por outras empresas de pesquisa. A receita deve ficar próxima dos 72 bilhões de yuan (11 bilhões de dólares) e o lucro estimado é de 3,3 bilhões de yuan (500 milhões de dólares).

No terceiro trimestre do ano passado, a companhia obteve receita de 53,7 bilhões de yuan (7,6 bilhões de dólares na cotação da época), 3,3% a mais do que em 2018. A maior parte (4,6 bilhões de dólares) veio da divisão de celulares, que já havia crescido 7,8% no ano. Em relação ao lucro, o resultado ficou em 3,5 bilhões de yuan ou 500 milhões de dólares. Neste quesito, crescimento 25,2% em relação ao ano retrasado.

Avaliada em 108,7 bilhões de dólares de acordo com o preço de suas ações na bolsa de valores de Hong Kong, a Xiaomi acumula uma ascensão meteórica no valor de seus papeis neste ano. Desde o primeiro pregão de 2020, as ações da fabricante chinesa se valorizaram 150%. No segundo trimestre deste ano, a empresa já havia apresentado bons resultados.

A animação dos investidores está relacionada a uma disparada da Xiaomi no mercado de celulares. Consultorias internacionais como IDC e Counterpoint Research apontam que a empresa já superou a Apple como a terceira maior fabricante de smartphones do mercado. A concorrente americana pode recuperar o posto no quarto trimestre, com as vendas do iPhone 12.

Segundo a consultoria Counterpoint, a Xiaomi cresceu 75% nos últimos 12 meses e foi responsável por uma fatia de 13% de todos os smartphones comercializados no trimestre, com 46,2 milhões de aparelhos vendidos. Só fica atrás de Huawei (14% e 50,9 milhões) e Samsung (22% e 79,8 milhões). A Apple, que aparece em quarto lugar, vendeu 41,7 milhões de iPhones (11%).

Antes chamada de “Apple chinesa”, a Xiaomi agora trava uma batalha particular com a rival americana. E não apenas no número de aparelhos vendidos. Recentemente, um celular da Xiaomi foi apontado pela mídia especializada como tendo uma melhor câmera fotográfica do que o iPhone 12 Pro Max, o aparelho mais parrudo da empresa de Cupertino.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.