Apesar da pressão de Elon Musk, verificação paga no Twitter ficará para outro dia

O plano era que os usuários pagassem US$ 8 pelo selo azul a partir desta quarta-feira, 9
 (AFP/AFP Photo)
(AFP/AFP Photo)
D
Da redação

Publicado em 09/11/2022 às 05:52.

Última atualização em 09/11/2022 às 05:57.

Elon Musk quer fazer dinheiro rápido com o Twitter. E, depois dos cortes de pessoal, para os quais ele já precisou voltar atrás em alguns casos, o bilionário decidiu desistir, ao menos por hora, do plano de cobrar pela verificação de perfis na rede social.

A ideia era que o selo azul do Twitter, hoje reservado a famosos, jornalistas e políticos, pudesse se tornar algo ao alcance de qualquer usuários disposto a pagar 8 dólares.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

No entanto, como bem orientaram os funcionários do errático CEO, se lançado nesta quarta-feira, 9, como era o planejado, o recurso poderia atrapalhar as discussões acerca das eleições de meio mandato nos EUA.

Logo, o plano ficou para o final do semestre ou para o início do próximo ano.

O medo é que pessoas má intencionadas utilizassem a verificação paga para criar perfis falsos e acabassem por enganar outros usuários com opiniões políticas.

A cobrança pelo sistema de verificação foi uma das mudanças propostas por Musk depois que assumiu o Twitter no final do mês passado.

Mas com um negócio de US$ 44 bilhões nas mãos, o bilionário está sob pressão financeira depois de financiar parte da compra com US$ 13 bilhões em emissão de dívidas.

VEJA TAMBÉM:

Considerando que o Twitter há muito não é lucrativo e, como outras empresas de mídia social, enfrenta um enfraquecimento nos gastos com publicidade digital à medida que a economia global caminha para uma recessão, a corrida para Musk é contra o tempo.

Para obter algum lucro extra para companhia, além do programa de assinatura, ele também cogita a adição de mensagens diretas pagas – que permitiriam aos usuários enviar mensagens privadas para usuários de alto perfil. Também discute reviver o Vine, uma plataforma de vídeo de formato curto que se parecia com o TikTok.

No domingo, Musk disse que o Twitter deve continuar a reprimir contas que fingem ser outras pessoas. "No futuro, qualquer perfil que faça uma imitação sem especificar claramente que se trata de uma 'paródia' será suspenso permanentemente", afirmou em um tweet.