Governo pede bloqueio de 1,3 mi de contas do pagamento do auxílio

O bloqueio ocorre por suspeita de fraude no pagamento do auxílio emergencial
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Por Karla MamonaPublicado em 22/07/2020 15:19 | Última atualização em 22/07/2020 15:50Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Ministério da Cidadania informou que enviou à Caixa 1.303.127 números de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) para bloqueio por suspeita de fraude no pagamento do auxílio emergencial. A medida foi tomada após os acordos firmados entre o ministério, a Controladoria-Geral da União (CGU), o Tribunal de Contas da União e o Ministério Público Federal para controle dos pagamentos do benefício.  

“Não é possível ainda afirmar que esses CPFs sejam considerados cancelados ou inelegíveis para receber o benefício. Qualquer indício de ilegalidade, em especial na óptica criminal, é imediatamente informado à Polícia Federal e os pagamentos são suspensos”, disse o ministério. 

Segundo o governo, as comunicações de irregularidades são enviadas à Caixa, que verifica se houve fraude no pagamento. São casos como o pagamento do auxílio que foi entregue a uma pessoa diferente da que possui o direito de receber o benefício. Isso pode ocorrer por clonagem de cartão e acesso indevido a sistemas e contas, entre outras hipóteses. O canal para registro de denúncias de fraudes é o sistema Fala.Br (plataforma integrada de ouvidoria e acesso à informação da CGU) ou pelos telefones 121 ou 0800 707 2003.

O que fazer

Em coletiva realizada na tarde nesta quarta-feira, 22, Pedro Guimarães, presidente da Caixa, informou que as contas que foram bloqueadas por suspeita de fraude serão regularizadas. O beneficiário deve procurar uma agência com documento de identidade. Entretanto, o beneficiário do programa só será atendido de acordo com o calendário de recebimento do auxílio. “Desta maneira, evitaremos aglomerações nas agências.”