Carro na Argentina tem mais imposto, mas preço menor que o Brasil

Apesar dos tributos argentinos serem maiores, custo de produção é mais baixo e margem de lucro é maior

Os tributos sempre foram apontados – principalmente pelos próprios fabricantes – como o grande culpado pelo alto preço do automóvel no Brasil. Mas um estudo indica que há lugares bem próximos onde o imposto é ainda maior.

Segundo dados das Adefa (associação de fabricantes da Argentina), a carga tributária do país hermano é a maior do mundo, partindo de 54,8%.

No Brasil, os impostos começam em 30,4% para carros a gasolina e 27,1% para carros flex. Neste valor estão inclusos IPI, ICMS e Pis/Cofins, mas a Anfavea (associação dos fabricantes no Brasil) diz que ainda há tributos embutidos na cadeia produtiva, como na alimentação dos funcionários e na iluminação de seus escritórios, que representariam mais 5 pontos percentuais nesta conta.

Onix aventureiro é fabricado em Gravataí (RS), mas custa quase o mesmo na Argentina já com impostos Onix aventureiro é fabricado em Gravataí (RS), mas custa quase o mesmo na Argentina já com impostos

Onix aventureiro é fabricado em Gravataí (RS), mas custa quase o mesmo na Argentina já com impostos (GM/Divulgação)

Onix aventureiro é fabricado em Gravataí (RS), mas custa quase o mesmo na Argentina já com impostos (Divulgação/Chevrolet)

No final, 32,5% do preço de um carro 1.0 flex é imposto e os 67,5% restantes correspondem ao custo do carro e lucro do fabricante e da revenda.

Como comparação, na Europa o imposto de um carro zero km fica entre 16% e 18%. Já nos Estados Unidos, dependendo do estado, pode chegar a apenas 7,5%, como na Califórnia.

Vale lembrar que automóveis importados de fora do Mercosul pagam mais 35% de imposto de importação e estão sujeitoa a IPI majorado em 30 pontos percentuais, caso o fabricante não esteja homologado no Inovar Auto.

Onde os carros são mais caros?

E se subtraíssemos os impostos dos dois países para descobrir quem tem o carro mais caro sem os impostos? Para isso, selecionamos dois carros brasileiros, o Mobi e o Onix Activ, e um argentino, o Fluence.

Fiat Mobi 1.o Easy Chevrolet Onix Activ 1.4 MT Renault Fluence Privilege CVT
Preço Brasil R$ 36.340 (32,5% de imposto) R$ 57.490 (34,3% de imposto) R$ 103.600 (34,3% de imposto)
Preço Brasil s/imposto R$ 24.529 R$ 37.770 R$ 68.065
Preço Argentina R$ 41.664 (54,8% de imposto) R$ 57.330 (54,8% de imposto) R$ 93.072 (54,8% de imposto)
Preço Argentina s/imposto
R$ 18.833 R$ 25.913 R$ 42.068

A maioria dos carros vendidos no país vizinho são mais caros do que os brasileiros. Mas a situação muda quando tiramos o valor dos impostos.

Mesmo fabricados no Brasil, Mobi e Onix tem valor menor na Argentina quando retirados os impostos. O Fluence (que está com preço bastante inflacionado no Brasil) sempre é mais barato na Argentina.

Preços do Fluence no Brasil estão fora da realidade: o Privilege custa r$ 103.600 (Divulgação/Renault)

renault_fluence_br-spec_8

Consultores afirmam que a diferença ocorre tanto pelo custo de produção argentino mais barato – o que inclui energia elétrica, mão de obra e alimentação – quanto por uma margem de lucro maior praticada pela indústria brasileira.

“Só o fato de a mão de obra argentina ser mais barata já reduz muito o custo de produção”, diz Milad Neto, da Jato Consultoria.

Na prática, os argentinos ainda gastam proporcionalmente menos para ter um carro. Utilizando o PIB per capita como referência, o poder de compra do argentino é maior que o do brasileiro: em 2015, o PIB per capita do Brasil foi de US$ 15.518,77, enquanto o da Argentina foi de US$ 21.924,29.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.