• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Pagar o hospital só quando o paciente é curado? Modelo pode melhorar o SUS

Especialistas defendem alteração na forma como os serviços de saúde são remunerados. Ideia é valorizar a prevenção e o tratamento, não a doença
Conceito de medicina baseada em valor, que premia a eficiência, ganha força em meio aos esforços para conter a pandemia (Agência Brasil/Marcello Casal)
Conceito de medicina baseada em valor, que premia a eficiência, ganha força em meio aos esforços para conter a pandemia (Agência Brasil/Marcello Casal)
Por Rodrigo CaetanoPublicado em 19/05/2020 11:01 | Última atualização em 19/05/2020 11:01Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O Brasil gastou, no ano passado, mais de 280 bilhões de reais com o Sistema Único de Saúde (SUS). O valor representa cerca de 9% do PIB, uma soma considerável, porém insuficiente para garantir um nível de atendimento adequado para a população. Segundo especialistas, melhorar a aplicação dos recursos com uma gestão baseada em dados poderia resolver a equação. Mas, isso depende de mudanças na maneira como os serviços de saúde são remunerados. 

Em meio aos esforços para conter a pandemia, começa a ganhar força no setor de saúde o conceito de value-based healthcare (assistência médica baseada em valor). Na prática, o modelo estabelece a remuneração por resultado, ou seja, quanto menor for a necessidade de intervenções médicas, mais o hospital, ou prestador de serviço, ganha. 

Atualmente, os serviços de saúde são remunerados por eventos, independentemente do resultado. Quanto mais intervenções médicas ou cirúrgicas, mais o hospital recebe. Esse modelo cria um conflito inevitável entre quem paga a conta, seja o governo ou um plano de saúde, e o prestador de serviço.  “Ao se estabelecer uma remuneração baseada em valor, o foco sai da doença e passa para a cura”, afirma Renato Carvalho, presidente da farmacêutica Novartis no Brasil. 

Segundo Luis Carlos Nogueira, especialista em gestão da saúde da consultoria Falconi, na medicina baseada em valor, a cobrança é feita por indicadores de saúde. “A indústria teria de estabelecer os parâmetros e remunerar de acordo com o atingimento das metas”, afirma Nogueira. O SUS, por sua abrangência, poderia atuar como regulador desses indicadores, estabelecendo os padrões de valores financeiros e de nível de serviço para toda a cadeia. 

Uma maternidade, por exemplo, saberia o quanto vai receber por determinado número de partos normais. Em caso de complicações, o hospital teria de arcar com parte dos custos, ou seja, dividiria os riscos com o paciente. De maneira geral,  é como se o paciente pagasse ao médico um prêmio pela cura, e deixasse de pagar caso houvesse complicações em seu tratamento, como uma infecção hospitalar. Esse modelo incentiva a prevenção e as boas práticas de gestão. Quanto mais eficiente for o hospital, melhor ele será remunerado. 

Indústria farmacêutica lidera movimento 

Na indústria farmacêutica, a ideia de receber pelo medicamento apenas em caso de cura ou controle da doença já é considerada. Tratamentos modernos, baseados na análise genética das enfermidades, permitem que as empresas tenham uma grande assertividade sobre as chances de cura, em especial no caso de condições graves, como câncer. A Roche é uma das grandes empresas do setor que estuda adotar o conceito para seus remédios biológicos, que são muito mais caros do que os tradicionais, porém garantem uma alta taxa de sucesso. 

Segundo Padraic Ward, líder de mercados internacionais da companhia, a empresa considera adotar um modelo de remuneração baseado no sucesso do tratamento, e não no número de caixas vendidas.  “Existem diversas opções, mas o mercado precisa aceitar uma abordagem diferente”, afirma Ward. “Hoje, o padrão é pagar o preço por embalagem. Temos de achar outra maneira”. A Novartis também considera o mesmo caminho, segundo o presidente Renato Carvalho.

A dificuldade, diz Carvalho, é promover essa evolução na gestão e no relacionamento entre os diferentes elos da cadeia em uma indústria que está atrasada na digitalização. “Se você analisar a evolução das agências bancárias e dos hospitais, verá que, enquanto os bancos digitalizaram todos os processos, o setor de saúde se mantém, basicamente, o mesmo”, afirma.

Os esforços para conter o coronavírus, no entanto, promoveram alguns avanços, como a liberação da telemedicina e a consciência de que a gestão é tão importante quando a adição de recursos financeiros. “Na medicina, uma nova tecnologia raramente substitui a anterior, elas se complementam”, afirma Nogueira, da Falconi. “Sem uma gestão adequada, os custos se tornam proibitivos, tanto para o sistema público, quanto para o privado”.