• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Fundo quer investir US$ 100 milhões no Brasil em dez anos

Fundadores da empresa de capital de risco Alexia, Patrick Arippol e Wolff Klabin miram o mercado brasileiro de startups com um novo fundo
 (Exame/Andre Valentim e Germano Lüders)
(Exame/Andre Valentim e Germano Lüders)
Por Rodrigo LoureiroPublicado em 22/10/2020 05:24 | Última atualização em 21/10/2020 22:11Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Patrick Arippol e Wolff Klabin se conheceram nos Estados Unidos quando estudavam nas universidades de Stanford e Harvard. Os dois passaram por empresas do setor financeiro e chegaram a fundar a startup de serviços de saúde PlanetaVida.com em 1999. A mais recente iniciativa da dupla é a empresa de capital de risco Alexia Ventures, criada em 2019 e que acaba de lançar um fundo de 100 milhões de dólares para investir no Brasil ao longo da próxima década. “É preciso enriquecer o ecossistema de inovação no país”, diz Wolff Klabin, membro do conselho do gigante do mercado de celulose que leva seu sobrenome. Quer abrir a sua própria startup? Saiba como com os fundadores da ACE Startups

(Arte/Exame)

A missão é impulsionar o mercado brasileiro de startups — e, claro, multiplicar o dinheiro investido. Para isso, o fundo pretende realizar de dois a quatro aportes por ano em rodadas de série A. O plano é apoiar startups com foco em plataformas de software, inteligência artificial, big data e machine ­learning. Além disso, 5% do fundo será destinado a investimentos-semente, de valor menor.

Um levantamento feito pela ­EXAME com dados da plataforma Crunch­­base aponta que os investimentos de série A recebidos até meados de outubro por startups brasileiras ultrapassam 200 milhões de dólares, menos de um décimo dos 2,7 bilhões investidos em 2019, segundo a consultoria Distrito, considerando todo tipo de aporte. Os números mostram que ainda há muito espaço para investidores no Brasil — o que só tende a favorecer as startups.