Klabin pretende investir R$ 9,1 bilhões durante seu novo ciclo de expansão

Maior produtora de papéis para embalagens do Brasil, a klabin vai investir 9,1 bilhões de reais até 2023 para ampliar seu complexo industrial no Paraná
 (Germano Lüders/Exame)
(Germano Lüders/Exame)
É
Érica Polo

Publicado em 19/11/2020 às 05:56.

Última atualização em 13/08/2021 às 14:49.

A demanda crescente por embalagens e as janelas de recuperação do preço da celulose ajudaram a Klabin a faturar quase 2,6 bilhões de dólares no ano passado, quando deu os primeiros passos rumo a um ambicioso novo ciclo de expansão, com horizonte até 2030. Neste ano, as empresas do setor precisaram ajustar-se aos desafios adicionais trazidos pela pandemia de covid-19.

Vem aí o Oscar das empresas: Melhores e Maiores 2021. A premiação mais aguardada do ano já tem data para acontecer e inscrições abertas - participe!

“Desafiador foi operar normalmente em 2020. O contexto uniu demanda acima da regular com a importância de revisar os protocolos de segurança nos escritórios e nas fábricas”, diz Cristiano Teixeira, CEO da Klabin.

Os planos de longo prazo, contudo, não sofreram alterações. Maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, a Klabin pretende investir 9,1 bilhões de reais entre 2019 e 2023 em seu projeto Puma II,­­­ em Ortigueira, no Paraná.

O projeto contará com duas máquinas para ampliar a capacidade produtiva de kraft­liner (um papel resistente, indicado para embalagens) em quase 1 milhão de toneladas. Uma novidade é a produção do papel kraftliner feito de eucalipto, uma inovação com patente já requerida pela companhia. “O eucalipto leva sete anos para crescer, metade do tempo do pinus”, diz Teixeira.

(Arte/Exame)


(Publicidade/Exame)