Com receita de 3,8 bilhões em 2020, Unipar sai fortalecida da pandemia

Com o compromisso de não deixar os clientes desabastecidos, a Unipar se prepara para sair fortalecida da pandemia
 (Leandro Fonseca/Exame)
(Leandro Fonseca/Exame)
G
Gabriella Sandoval

Publicado em 20/10/2021 às 22:00.

Última atualização em 27/10/2021 às 09:47.

O cloro fabricado pela Unipar é usa­do no tratamento da água consumida por milhões de brasileiros. A soda cáustica tem como destino a fabricação de produtos de higiene. E o PVC é usado pela construção civil. Manter esses três setores abastecidos foi uma preocupação da empresa na pandemia. “Quando a situação foi ficando mais intensa, definimos três grandes objetivos: proteger os colaboradores e suas famílias, dar suporte às comunidades em nosso entorno e à sociedade como um todo, e garantir nossa continuidade operacional”, diz Mauricio Russomanno, CEO da Unipar.

Com mais de 1.500 colaboradores e três fábricas — duas em São Paulo e outra em Bahía Blanca, na Argentina —, a empresa viu crescer no ano passado a demanda por cloro (o que era esperado devido à intensificação dos protocolos de higiene). Por outro lado, teve de lidar com uma adversidade: a queda brusca na compra de PVC. O jeito, já que a produção não podia parar, uma vez que o PVC leva cloro em sua composição, foi esperar a retomada da construção civil. E ela veio.

Para o executivo, outros fatores, como investimentos antes da pandemia para melhorar a eficiência operacional das fábricas, contribuíram para que a Unipar fechasse 2020 com receita líquida consolidada de 3,8 bilhões. A receita líquida na controladora foi de 1,12 bilhão em 2020, 7,7% superior a 2019. “Saímos da pandemia mais unidos, com maior senso de comprometimento”, diz Russomanno.  


(Publicidade/Exame)