Revista Exame

Quanto vale um unicórnio mesmo?

O mítico animal virou sinônimo de startups avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares — como Uber e Dropbox. Na bolsa, porém, elas têm perdido a magia

Jack Dorsey, da Square: a empresa decepcionou na bolsa de valores (Divulgação)

Jack Dorsey, da Square: a empresa decepcionou na bolsa de valores (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de dezembro de 2015 às 04h56.

Última atualização em 21 de março de 2018 às 11h33.

São Paulo — Em novembro de 2013, a investidora americana Aileen Lee escreveu um artigo num site de tecnologia que colocou uma palavra nova no vocabulário das startups: unicórnio. O animal mitológico passou a servir de sinônimo para empresas de tecnologia novatas avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares. Assim como unicórnios, essas empresas, dois terços delas americanas, exercem um enorme fascínio.

Há dois anos, quando a expressão foi criada, havia 39 unicórnios. Desde então, o número saltou para 144, puxado pelo interesse cada vez maior dos investidores. O exemplo máximo dessa fase é o Uber, o polêmico serviço de transporte urbano avaliado em 51 bilhões de dólares, mais de duas vezes o valor da montadora Fiat Chrysler.

Os unicórnios atraíram a atenção dos fundos de capital de risco e da mídia especializada, mas na hora de estrear na bolsa de valores estão decepcionando. A maioria continua valendo mais de 1 bilhão de dólares. O problema é que eles estão sendo negociados muito abaixo da expectativa que se tinha poucos meses atrás.

Em novembro, a Square, empresa de meios de pagamento para smart­phones e tablets criada e dirigida pelo presidente do Twitter, Jack Dorsey, fez uma aguardada abertura de capital nos Estados Unidos. Depois da estreia, o valor de mercado da empresa está em 3,9 bilhões de dólares. Nada mal, certo? Há um ano, porém, a estimativa de valor era de 6 bilhões.

Desde o lançamento, o preço da ação subiu, mas ainda está longe do patamar sonhado até o ano passado. “O que aconteceu com a Square não foi uma surpresa. Muitos unicórnios estão seriamente sobrevalorizados”, diz Max Wolff, economista-chefe do banco de investimento ­Manhat­tan Ventures, de Nova York.

Na lista das startups que não cor­responderam às projeções ao chegar à bolsa de valores estão a companhia de armazenamento de arquivos online Box; a Hortonworks, que desenvolve aplicações corporativas na nuvem; e a New Relic, que faz softwares para o segmento de big data.

Com esse sinal vindo dos investidores, algumas ­startups estão adiando a estreia na Nasdaq, como o serviço de armazenamento na nuvem Dropbox. Com base nos investimentos que já recebeu dos fundos de capital de risco, o Dropbox foi avaliado no ano passado em 10 bilhões de dólares.

O mercado esperava que a abertura de capital ocorresse neste ano, mas dezembro chegou e até agora nada de a startup anunciar sua entrada no mercado de ações. “O valor esti­mado do Dropbox é insano. É mais de 25 vezes a receita do ano passado. O risco de tomar um tombo na bolsa é enorme”, afirma Michael Dempsey, analista da consultoria americana CB Insights, especializada em investimentos.

O medo do fiasco entre as startups acabou criando um gargalo. Em tempos de unicórnios, o número de aberturas de capital na Nasdaq é o menor dos últimos seis anos. Por que, afinal, essas empresas que ainda têm o capital fechado estão sobrevalorizadas? Uma das explicações é a entrada em cena de um novo tipo de investidor.

Nos últimos anos, fundos que preferiam não investir em empresas de tecnologia, como os familiares, decidiram entrar nesse segmento. Resultado: o valor aplicado em startups em estágio avançado de operação nos Estados Unidos saiu de 3,1 bilhões de dólares, em 2012, para 6,9 bilhões de janeiro a setembro deste ano. Essa disputa dos investidores fez subir o valor das start­ups que ainda não abriram o capital.

Bolha no ar?

Tanto dinheiro fez crescer o temor de que o setor de tecnologia dos Estados Unidos seja uma bolha prestes a estourar. “O Vale do Silício tornou-se um lugar especulativo e insustentável. Com certeza, veremos alguns unicórnios morrendo no próximo ano”, disse recentemente numa conferência Bill Gurley, sócio do fundo Benchmark Capital e um dos investidores mais respeitados dos Estados Unidos.

Os que negam a existência de uma bolha argumentam que a soma do valor de mercado de todas as startups bilionárias é inferior ao de uma grande empresa de tecnologia, como o Google, que vale 515 bilhões de dólares. “Veremos uma correção, com a diminuição dos investimentos, e voltaremos para avaliações normais”, diz Wolff, do banco Manhattan Ventures.

A proliferação de smartphones ampliou o número de usuários de software, abrindo espaço para uma nova geração de empreendedores. Alguns unicórnios têm inegavelmente um grande futuro. Mas a pergunta central para os investidores de bolsa continua sendo a mesma: a empresa dá lucro?

“Estrear na bolsa de valores e ser obrigado a se tornar lucrativo antes da hora pode ser mortal mesmo para um grande negócio”, afirma Michael Dempsey, analista da consultoria americana CB Insights. A experiência mostra que ganhar popularidade não é igual a dar retorno financeiro. A maior referência disso é o site de compras coletivas Groupon.

A empresa levantou 700 milhões de dólares em sua abertura de capital em 2011, enfrentou uma onda de concorrentes e até hoje roda no vermelho. Quando a ação do Groupon foi lançada, ela valia 26 dólares; e atualmente não chega a 3.

Cerca de 60% das empresas de tecnologia que abriram o capital no último ano têm ações negociadas por um preço inferior ao da estreia na bolsa. Unicórnio ou não, todas morrem de medo de ser a nova Groupon.

Acompanhe tudo sobre:Compras coletivasEdição 1103EmpreendedoresEmpreendedorismoPequenas empresasStartupsUnicórnios

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame