O futuro das roupas tem cogumelos, cacto e até bananas

Todos os produtos já são alternativas ao couro animal — e novos materiais vêm aí
A tendência de busca por insumos mais sustentáveis, a fim de compensar a degradação climática causada pela pecuária, também chegou ao Brasil (Reprodução/AFP)
A tendência de busca por insumos mais sustentáveis, a fim de compensar a degradação climática causada pela pecuária, também chegou ao Brasil (Reprodução/AFP)
J
Julia Storch

Publicado em 16/12/2021 às 05:51.

Última atualização em 17/12/2021 às 11:06.

Ao lado de líderes mundiais, a estilista inglesa Stella McCartney levantou novamente a bandeira contra o uso de couro animal, dessa vez na COP26, realizada em novembro em Glasgow, na Escócia. Uma das soluções apresentadas foi o mylo, um couro fabricado de fungos, utilizado pela estilista desde 2017 e produzido pela empresa californiana Bolt Threads.

Ainda neste ano, a Hermès anunciou a troca de um dos materiais mais importantes para a confecção de suas bolsas, o couro animal, por um couro de cogumelos batizado de sylvania. Feita em parceria com a empresa americana MycoWorks, até o final do ano a conhecida bolsa Victoria será feita com a matéria-prima vegana. Artigos de couro animal corresponderam a 15% (48 bilhões de dólares) das peças de luxo vendidas em 2019, segundo relatório da consultoria Statista.

Aprenda a empreender com a shark Carol Paiffer no curso Do Zero Ao Negócio. Garanta sua vaga

A tendência de busca por insumos mais sustentáveis, a fim de compensar a degradação climática causada pela pecuária, também chegou ao Brasil. Na abertura da São Paulo Fashion Week deste ano, a marca P. Andrade apresentou uma versão revisitada da bota Tabi, lançada pela Maison Margiela em 1988. Para além da divisão entre os dedos dos pés, o calçado nacional foi produzido com fibra de cacto, importada do México, e estará à venda a partir do primeiro semestre de 2022.

“Estamos desde o começo da marca em infinitas reuniões com engenheiros têxteis, cientistas e fabricantes para encontrar novos caminhos dentro da moda”, diz o cofundador e designer da marca, Pedro Andrade. Entre os materiais desenvolvidos estão tecidos feitos de banana, leite, soja e rosas, importados da Índia, e milho, encontrado aqui mesmo, no Brasil.