Jorge Arduh, da Indra, e o desafio de conectar as cidades

Para o presidente da Indra no Brasil, as tecnologias para tornar as cidades inteligentes esbarram nas dificuldades de implementação

O termo “cidade inteligente” está longe de ser novo. Mas o conceito de metrópole conectada ainda esbarra em limitações para decolar. Na liderança da consultoria de tecnologia espanhola Indra no Brasil desde 2015, o argentino Jorge Arduh conversou com EXAME sobre as dificuldades para a implementação das soluções desse tipo, as perspectivas em torno do conceito e a relação dele com novas tecnologias e legislações.

Apesar dos avanços ao redor do mundo, as cidades inteligentes ainda não parecem ter se disseminado. Por que a demora?

As tecnologias se desenvolvem de acordo com as necessidades das pessoas. Mas há casos em que a necessidade é maior do que a capacidade de desenvolvimento tecnológico. A história das cidades inteligentes é assim. Deseja-se criar uma solução que centralize e resolva as necessidades de um cidadão com o uso de tecnologia. Mas a ideia esbarra na implementação.

Por que é tão difícil colocar em prática essas soluções?

É preciso lidar com muitos dados e com a integração de sistemas. Além disso, cada cidade tem um tamanho e um nível tecnológico diferentes. Umas cresceram com um planejamento adequado. Outras, não. Pense em São Paulo e em seus muitos hospitais públicos. Eles se desenvolveram separadamente, com sistemas diferentes e dados guardados de formas distintas.

É possível criar tecnologias capazes de contornar essas dificuldades com o uso de sistemas diferentes?

Sim, e elas existem. Uma equipe nossa, de saúde, desenvolveu um modelo para acelerar a implantação de soluções inteligentes em hospitais. É uma estrutura que interage com sistemas distintos e permite a interoperabilidade. O modelo digital da Estônia, outro que integra sistemas, também é aberto e pode ser adotado por qualquer um. A implantação depende do nível de desenvolvimento de cada município, claro. Mas acredito que essa integração facilite o avanço das cidades inteligentes.

Quais outros países têm boas experiências nesse campo?

A Espanha é um exemplo. A região da Andaluzia já usa um sistema de saúde inteligente. As informações dos pacientes são centralizadas e todos os cidadãos têm um registro eletrônico. Isso praticamente eliminou as filas e reduziu o tempo de atendimento em clínicas e hospitais.

Qual é o papel da tecnologia 5G na área de cidades inteligentes?

O 5G deverá ser útil para dar conta da quantidade cada vez maior de dados trafegados. Acredito até que ele fará as operadoras de telecomunicações mudar de vez o foco, voltando a atenção para a oferta de serviços além de telefonia e dados.

Nesse contexto, onde entram as mais recentes legislações de proteção de dados, como a lei geral brasileira, aprovada em agosto do ano passado, e a europeia?

Essas leis são importantes porque nós estamos entrando na era da tecnologia cognitiva, que depende de cada vez mais dados. À medida que essas inovações avançam, torna-se cada vez mais necessário manter as informações delas protegidas. Mas, claro, será preciso regulá-las e fazê-las valer.

Sobre a lei local, o senhor tem acompanhado a preparação das empresas e dos setores do governo no Brasil. Como estão?

As empresas estão atentas e preocupadas. Temos recebido muita demanda delas, porque lidamos com isso na Espanha, por causa da lei europeia. Os setores do governo também estão cientes dos processos que têm de ser feitos.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.