Nos EUA, mudança de comportamento afeta mercado imobiliário

Os jovens americanos estão levando mais tempo para se casar, ter filhos e comprar uma casa

São Paulo – Os Estados Unidos vêm passando por uma mudança estrutural nos últimos anos. Os jovens têm demorado mais para sair da casa dos pais e, quando o fazem, preferem morar sozinhos ou com amigos em apartamento ou casa alugada. Em 1967, por exemplo, 80% dos adultos de 25 a 34 anos viviam com o marido ou a mulher. Hoje, esse número caiu para 55%.

Com um padrão de vida diferente, os jovens americanos estão levando mais tempo para se casar, ter filhos e comprar uma casa, o que está afetando diretamente o mercado imobiliário no país. Uma consequência é que a taxa de americanos de 25 a 34 que têm um imóvel próprio vem caindo num ritmo maior do que a taxa do total da população. Pouco mais de 44 milhões de pessoas estão nessa faixa etária.

Em um relatório recente divulgado a investidores, o Bank of America Merrill Lynch afirma que esses fatores tendem a brecar o crescimento do setor imobiliário no médio prazo.

Existem ainda outros dois problemas. Primeiro, o preço dos imóveis está ficando menos acessível em relação à renda dos mais jovens. Segundo, os estudantes universitários do país estão se endividando mais para pagar a faculdade e, como consequência, devem adiar a compra do imóvel por um tempo ainda mais longo do que o previsto.

Como não há espaço para um aumento da demanda, o banco reduziu a estimativa do número de lançamentos de imóveis no país em 2017 e em 2018.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.