Revista Exame

Para a Klabin, as mudanças climáticas estão na ordem do dia

Com sua maior fábrica em operação, a Klabin mapeia oportunidades e riscos das alterações no clima para traçar um plano estratégico

Cristiano Teixeira,  diretor-geral da Klabin: 86% da matriz energética da empresa é composta de fontes renováveis  (Germano Lüders/Exame)

Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin: 86% da matriz energética da empresa é composta de fontes renováveis (Germano Lüders/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de novembro de 2017 às 11h59.

Última atualização em 17 de novembro de 2017 às 11h59.

Toque para ampliar

início das operações da fábrica de celulose em Ortigueira, no Paraná, em março de 2016, ajudou a Klabin a fechar o ano com um volume de vendas de quase 2,7 milhões de toneladas, 45% mais do que no ano anterior. Do ponto de vista das mudanças climáticas, um dos efeitos dessa expansão é o uso mais intenso do transporte rodoviário para escoar a produção — e um aumento das emissões de gases de efeito estufa. O desafio para a empresa é grande. Com a Unidade Puma — como é chamada a fábrica que custou 8,5 bilhões de reais — atingindo plena capacidade, estima-se um aumento de 33% nas emissões de gases em 2017, em termos absolutos.

Proporcionalmente ao volume de produção, porém, a companhia espera uma redução das emissões —  menos gases por tonelada produzida de celulose. Isso deve ocorrer graças ao fato de a fábrica ser autossuficiente na geração de energia elétrica e ao aumento de fontes renováveis na matriz energética da Klabin. A energia consumida na Unidade Puma provém de duas caldeiras: uma usa o licor negro (resíduo do cozimento da madeira) e a outra produz vapor com a biomassa gerada na fábrica. Atualmente, 86% da matriz energética da Klabin é composta de fontes renováveis — a meta é elevar esse índice para 88% até 2022.

Buscar a redução das emissões de gases de efeito estufa é um dos 13 princípios da política de sustentabilidade da Klabin, que foi revista no ano passado. Para ajudar a cumprir esse objetivo, a Klabin possui desde 2015 um Comitê do Clima, formado por funcionários de diversas áreas. O grupo elaborou um estudo detalhado de oportunidades e riscos climáticos a que estão sujeitas as operações da empresa e que demandam atenção especial. Entre os principais pontos vulneráveis identificados estão o aumento da temperatura, a necessidade maior de irrigação das florestas e alterações no desenvolvimento de espécies de pínus e eucalipto. “Nas operações industriais, podemos enfrentar uma sobrecarga na demanda do sistema elétrico e, consequentemente, o aumento do preço da energia”, diz Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin.

O próximo passo do comitê é desdobrar a matriz de riscos climáticos num plano que permita avaliar a amplitude dos riscos mais severos e as oportunidades mais importantes. Com base nisso, a Klabin vai priorizar os pontos mais urgentes e dar direcionamento estratégico para que o comitê proponha ações. “Os membros do comitê são os responsáveis por internalizar o tema das mudanças climáticas na companhia e nos ajudar a entender o que vem pela frente”, diz Teixeira.

Toque para ampliar

Toque para ampliar

UM CELEIRO DE BOAS PRÁTICAS 

A fábrica de celulose da Fibria em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, inova no viveiro de mudas e utiliza biomassa do processo produtivo para gerar a própria energia | Lia Vasconcelos

Em agosto, a Fibria, maior produtora de celulose de eucalipto do mundo, inaugurou a segunda linha de produção de sua fábrica em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. Mais do que ampliar a capacidade produtiva em quase 40%, para 7,25 milhões de toneladas de celulose por ano, a nova unidade traz uma série de inovações na construção, na operação, nos processos industriais e florestais e no relacionamento com a comunidade no entorno.

Uma das novidades é um viveiro automatizado de mudas de eucalipto. Para atender à demanda de 43 milhões de mudas por ano, técnicos da empresa foram conhecer a tecnologia empregada na fabricação de flores na Holanda e, de volta ao Brasil, desenvolveram um sistema automatizado de irrigação e uma estação meteorológica particular. A irrigação permite o manejo da nutrição das plantas, e a estação faz a abertura e o fechamento automático de tetos retráteis de acordo com as condições do clima. A estação também mede a intensidade de energia solar no viveiro, permitindo um controle da quantidade de água necessária às plantas.

A fábrica de Três Lagoas, além disso, é autossuficiente na cogeração de energia elétrica — a energia é gerada por meio de biomassa proveniente de cascas de eucalipto e de material resultante do processo industrial. Com isso, a nova fábrica não desperdiça nada em seu processo produtivo. “Todos os resíduos são aproveitados”, diz Malu Pinto e Paiva, diretora de sustentabilidade, comunicação e relações corporativas da Fibria. “Isso permite gerar um excedente de energia de 130 megawatts, que vai para o Sistema Interligado Nacional, capaz de abastecer uma cidade do tamanho de Guarulhos.”

A ampliação da fábrica também traz novos desafios. Um dos maiores impactos que uma obra desse porte causa em seu entorno é o aumento populacional. De uma hora para a outra, Três Lagoas viu chegar cerca de 8 700 pessoas para trabalhar — a cidade tem hoje cerca de 117 000 habitantes (além da Fibria, a Eldorado Brasil instalou sua fábrica no local há cinco anos). “Já é sabido que, quando acontece um rápido crescimento populacional, há um aumento da exploração sexual de crianças e adolescentes. Decidimos enfrentar o problema”, afirma Malu.

A Fibria procurou a prefeitura e a promotora da infância para, com o apoio da ONG Childhood Brasil, planejar ações de proteção da infância e da adolescência, formando uma coalizão para engajar a comunidade. “O objetivo é desenvolver um programa estruturado para proteger de forma preventiva as crianças e os adolescentes contra a violência sexual.”

Toque para ampliar
Acompanhe tudo sobre:EXAME 50 AnosFibriaKlabinSustentabilidade

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

ESG na essência

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame