Revista Exame

Melhores ESG 2022: Telecom, Tecnologia e Mídia

Conheça as empresas que estão fazendo a diferença no setor

Dennis Herszkowicz, CEO da Totvs: foco em pessoas e diversidade para promover fintechs. (Leandro Fonseca/Exame)

Dennis Herszkowicz, CEO da Totvs: foco em pessoas e diversidade para promover fintechs. (Leandro Fonseca/Exame)

RC

Rodrigo Caetano

Publicado em 24 de junho de 2022 às 06h00.

Totvs

A empresa de tecnologia Totvs avançou nas práticas ESG em 2021, especialmente com a implementação da governança ESG, reforçando o tema no conselho de administração, comitê de governança e indicação, comitê de estratégia, diretoria executiva, comissões e grupo de trabalho ESG. Também implementou comissões de trabalho relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A companhia ainda iniciou o mapea­mento do primeiro inventário de emissões de gases de efeito estufa das operações, que deve ser concluído no segundo semestre, para que metas ambientais mais assertivas sejam definidas. Enquanto isso, já há práticas como 98% do consumo de energia proveniente de fontes renováveis. A intenção é ofertar serviços que contribuam com a gestão ESG na operação de clientes.

“Estamos intensificando o trabalho em ESG. Entendemos que temos uma pegada menor do que a média por, por exemplo, não termos planta industrial e outros fatores. Estamos discutindo como utilizar a tecnologia e as boas práticas como um negócio para nós e para os clientes”, diz o CEO Dennis Herszkowicz.

Na frente social, a Totvs tem trabalhos como o Instituto Oportunidade Social, criado em 1998 por voluntários da companhia, que oferece capacitação em tecnologia para jovens em situação de vulnerabilidade social e pessoas com deficiência para prepará-los para o mercado de trabalho. Em 2021, o instituto alcançou seus melhores resultados: foram formados 2.623 alunos e 1.410 empregados. A ação impacta diretamente no negócio da empresa — por exemplo, quando 68 alunos foram contratados pela Totvs no ano passado. Internamente, a empresa trabalha desde 2020 com grupos para gênero; LGBTI+; pessoas com deficiência; e raça. Uma das ações a partir desse trabalho é o #ELASNATOTVS, um banco de talentos específico para mulheres que tenham interesse em trabalhar com tecnologia. Atualmente, o banco conta com 10.953 currículos. Em 2021, foram contratadas 824 mulheres por meio do programa.

Há um forte link entre a estratégia ESG e os negócios da Totvs, especialmente quando se trata de pessoas. Em abril deste ano, a empresa e o banco Itaú anunciaram a criação de uma joint venture com foco na distribuição de serviços financeiros, com 50% de participação para cada lado. A nova companhia será derivada da operação Techfin da Totvs e terá como principal objetivo ampliar e simplificar o acesso a serviços financeiros personalizados e integrados aos sistemas de gestão (ERP).

O movimento está relacionado com a desregulação do setor financeiro, que abriu caminho para a multiplicação das fintechs. “As oportunidades de criação de soluções inéditas a partir dessa iniciativa certamente representarão disrupções em favor dos clientes. Essa parceria nos coloca, Itaú Unibanco e Totvs, na vanguarda da transformação digital das indústrias nas quais atuamos”, afirmou Milton Maluhy Filho, presidente do Itaú Unibanco, em comunicado que anunciou a parceria.

Essa revolução depende, basicamente, de pessoas e empreendedorismo. Entre 2020 e 2021, o número de pessoas contratadas por fintechs cresceu 59%. “A expertise do Itaú aliada à tecnologia e aos dados da Totvs é uma combinação extraordinária para nossa ambição de democratizar serviços financeiros para as empresas brasileiras”, diz Herszkowicz.


Algar Telecom

Na Algar Telecom o acompanhamento das ações ESG evoluiu nos últimos anos, e os indicadores já fazem parte da remuneração variável dos executivos. “A gestão de riscos foi intensificada há três anos, enquanto a geração de energia limpa é um tema forte desde 2015. ESG é um processo contínuo de melhoria desde a nossa fundação, há 68 anos”, diz Jean Borges, presidente da Algar Telecom.

Segundo o executivo, o desafio é reduzir a pegada ambiental enquanto a empresa cresce. O consumo elétrico, por exemplo, caiu de 55.851 megawatts-hora para 54.977 megawatts-hora entre 2020 e 2021. Além disso, no ano passado a geração elétrica passou a ser 100% de fontes renováveis.

“Desde 2013, quando começamos as auditorias externas, houve redução de 79% nas emissões, e é importante considerar que naquele ano estávamos em um terço das cidades que estamos hoje”, afirma Borges. A Algar Telecom está presente em mais de 370 cidades.

Outro avanço está na reciclagem de itens perigosos, como pilhas, baterias e lâmpadas, que teve um salto de 1,6 tonelada em 2019 para 72 toneladas em 2021.

Em relação ao social, a companhia segue com atuação do Instituto Algar há duas décadas, com foco em educação, esporte, cultura e voluntariado. Mais de meio milhão de pessoas já foram impactadas, sendo 40.000 só no último ano.

Nas operações de varejo da Algar Telecom, apenas nove cidades têm mais de 50.000 habitantes, sendo que cerca de 60 delas possuem menos de 20.000 habitantes. Segundo Borges, a fibra óptica é, para além do negócio, uma questão de impacto social. Há grande desigualdade de acesso à internet no Brasil. “Estamos provendo acesso e reforçando um importante ponto para a qualidade de vida da população”, diz o executivo.


Locaweb

Na sede da Locaweb Company uma área verde nativa de 35.000 metros quadrados é preservada. A companhia busca alternativas sustentáveis para a estrutura. Um exemplo é a substituição das lâmpadas fluorescentes dos andares de escritório e data center por lâmpadas de LED, projeto que está em curso desde 2015. A mudança resultou numa redução do consumo de energia elétrica de 50% na parte de iluminação interna e de 44% na de iluminação externa.

Já em setembro de 2016, a energia elétrica passou a ser comprada no mercado livre, o que permite dar preferência para as fontes renováveis. “A Locaweb entende que é necessário buscar constantemente formas de diminuir o impacto das operações ao meio ambiente, mesmo sendo uma empresa de tecnologia que tem, por exemplo, pouca produção de resíduos”, diz Simony Morais, diretora de gente e gestão e responsável por ESG na Locaweb.

Segundo a executiva, governança é o carro-chefe da companhia. “Como empresa de capital aberto, seguimos os mais altos padrões de governança do Novo Mercado.” No âmbito social, há desde trabalhos com comunidades, como o da Escola de E-commerce, um portal de conteúdos gratuitos para PMEs que conta com mais de 2.000 artigos e 500.000 acessos mensais, até internamente, com o comitê de diversidade e inclusão em cinco frentes: mulheres, LGBTI+, pessoas com deficiência, cultura e origem, e gerações. Com as ações dos comitês, foi possível atingir 30% de liderança feminina em 2021. Além disso, o último programa de trainee foi o mais diverso entre todas as edições: 50% mulheres, 30% LGBTI+ e 30% pretos ou pardos.

Acompanhe tudo sobre:LocawebSustentabilidadeTelecomunicaçõesTotvs

Mais de Revista Exame

Melhores do ESG: os destaques do ano em energia

Melhores do ESG: os destaques do ano em telecomunicações, tecnologia e mídia

ESG na essência

O "zap" mundo afora: empresa que automatiza mensagens em apps avança com aquisições fora do Brasil

Mais na Exame