Revista Exame
Acompanhe:

Mercado de Luxo é importante até na hora do bem-estar

O mercado de saúde de alto padrão cresceu 50% no Brasil desde 2019 e já fatura 1,8 bilhão de reais

Daniella Neuenschwander, da Awake: programas para executivos (Claudio Gatti/Divulgação)

Daniella Neuenschwander, da Awake: programas para executivos (Claudio Gatti/Divulgação)

J
Julia Storch

15 de dezembro de 2022, 06h00

O mercado de luxo se pauta pela entrega de produtos de excelência e com apelo à ostentação. A pandemia consolidou outra tendência: essa indústria tem olhado cada vez mais para o bem-estar. Até então, a Suíça era um destino voltado para o turismo de esportes na neve, chocolates, queijos e relógios. Depois da pandemia, roteiros de spas e centros de saúde de luxo no país ganharam destaque. Recentemente o país conquistou o primeiro lugar no ranking Euro Health Consumer, dedicado à avaliação de sistemas de saúde. 

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos pra você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

O foco no bem-estar de luxo também está em alta no Brasil. Esse mercado faturou 1,8 bilhão de reais em 2021, 50% acima de 2020, segundo o anuá­rio da Associação Brasileira de Viagens de Luxo, em parceria com o Senac/SP. Para tratar corpo, mente e energia, a clínica Awake, inaugurada em São Paulo em junho deste ano, alia tratamentos milenares, como meditação e acupuntura, a inovadores, como o biofeedback — um sensor mede o equilíbrio entre mente e corpo a partir do batimento cardíaco. Em 2023, a Awake prevê a expansão para outras capitais.

LEIA TAMBÉM: