A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Dados e ideias | Digital em primeiro lugar

A Deloitte estima que o ecossistema que envolve os celulares (da venda de aparelhos à comercialização de apps) deverá ter receita de 900 bilhões de dólares

O mercado de smartphones está próximo de alcançar o faturamento de 1 trilhão de dólares. Para este ano, a consultoria britânica Deloitte estima que todo o ecossistema que envolve os celulares (desde a venda de aparelhos até a comercialização de aplicativos e publicidade) deverá representar uma receita de 900 bilhões de dólares — o trilhão pode chegar já em 2021. O que chama mais a atenção é o crescimento da publicidade na área: pela primeira vez, os anúncios em smartphones e tablets vão superar a publicidade realizada em televisão.

O total do investimento? Cerca de 180 bilhões de dólares. O aumento tem explicação: as pessoas ficam cada vez mais conectadas em seus aparelhos móveis. Uma pesquisa feita pela consultoria americana App Annie no ano passado mostrou que as pessoas ficavam, em média, 3 horas por dia no celular — 50% mais do que em 2016. Gigantes como Google e Facebook, que capturam os dados de navegação dos usuários para fazer propaganda personalizada, conseguem abocanhar 85% da verba publicitária.

“O domínio dessas empresas não será tão grande no futuro com o crescimento de outros aplicativos e outros serviços. É um mercado que ainda está no início”, diz Marcia Ogawa, sócia da área de tecnologia, mídia e telecomunicações da Deloitte.

Toque para ampliar

TECNOLOGIA

Robôs serviçais

Robô em Istambul: setor de serviços ultrapassa indústria | Islam Yakut / Getty Images)

Os robôs já são uma realidade na indústria, mas 2020 deve ser o primeiro ano em que o setor de serviços será líder na área. Se, até 2016, a indústria dominava a área, o crescimento médio de 60% ao ano dos robôs serviçais fará com que o jogo vire até dezembro.

A área de logística foi a maior responsável pela virada: metade dos robôs do setor está em armazéns de empresas como a americana Amazon e a alemã DHL. O varejo, porém, também corre para não ficar para trás: a rede de supermercados Walmart, por exemplo, já tem mais de 1.000 lojas com robôs atuando em funções como abastecimento de prateleiras e limpeza de chão. O levantamento foi feito pela consultoria Deloitte.

Toque para ampliar

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também