• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Contra acidentes, Ambev monitora até a inclinação das motos

O número de acidentes com funcionários da Ambev caiu 70% de 2010 a maio deste ano e as multas de trânsito diminuíram 95%

	Inspeção em fábrica da Ambev: a companhia reduziu 70% dos acidentes
 (Leandro Fonseca/Exame)
Inspeção em fábrica da Ambev: a companhia reduziu 70% dos acidentes (Leandro Fonseca/Exame)
Por Da RedaçãoPublicado em 10/06/2016 05:56 | Última atualização em 10/06/2016 05:56Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo — Os executivos da AB InBev, maior fabricante de cerveja do mundo, sempre gostaram de entoar o mantra de que zelam ao máximo pela prevenção de acidentes no ambiente de trabalho. Em 2009, porém, o presidente Carlos Brito decidiu dar legitimidade a esse discurso com a implantação de uma série de medidas práticas.

A primeira ação da Ambev, subsidiária da companhia no Brasil, foi criar no ano seguinte uma área dedicada exclusivamente ao tema. O alvo prioritário foi reduzir o número de acidentes nos locais em que ocorrem com mais frequência: nos armazéns, onde há circulação de empilhadeiras; e nas ruas, onde vendedores, cadastradores e distribuidores utilizam motos, carros e caminhões para trabalhar.

Mais de 13.000 funcionários e prestadores de serviço foram mapea­dos em funções consideradas de risco. As melhorias introduzidas nos últimos anos — algumas delas um tanto quanto triviais — surtiram efeito: houve queda de 70% no número de acidentes desde 2010. “Criamos regras e metas cujo cumprimento impacta a remuneração variável dos executivos”, diz o gerente de saúde e segurança Henrique Mata Machado. Veja as medidas tomadas.

1. Tecnologia

Em 2010, a Ambev não encontrou no mercado dispositivos que medissem além da quilometragem e localização dos veículos. Então, pagou pelo desenvolvimento de equipamentos capazes de monitorar a inclinação das motos nas curvas, assim como acelerações e frenagens bruscas.

2. Indicadores

As informações coletadas pelos dispositivos abastecem relatórios diários que apontam os motoristas que apresentam um comportamento de risco e os “infratores” frequentes. Dados sobre o tempo ocioso de cada veículo também ajudaram a replanejar a logística. 

3. Treinamentos

Antes, a Ambev limitava-se a dar um treinamento de direção defensiva para os motoristas uma ou duas vezes ao ano. Agora, com a ajuda dos relatórios, quem comete infração é escalado para passar, no mês seguinte, por um curso de 6 horas com uma consultoria.

4. Inspeções

Todas as manhãs, os supervisores checam se os motoristas estão usando todos os equipamentos de proteção, como capacete e luvas, antes de seguir para o trabalho nas ruas. Todo comportamento fora do padrão observado nos dias anteriores é apontado.

Resultado

O número de acidentes com funcionários da Ambev caiu 70% de 2010 a maio deste ano. Desde 2014, com a instalação dos equipamentos de monitoramento, houve queda de 95% nas infrações. Em 2015, os caminhões receberam a mesma tecnologia e as multas diminuíram 86%.