As barreiras ao otimismo

Investidores estão no mundo da lua, insensíveis à epidemia? A resposta simples é: não. Os mercados estão antecipando uma reabertura da economia

No dia do fechamento da última edição da EXAME, dois eventos aparentemente contraditórios dominaram o noticiário. De manhã, o Ibovespa batia mais uma vez a marca dos 90.000 pontos, acumulando uma alta de 30% em 30 dias (nesta segunda-feira, 8, chegou a 97 mil). De noite, o país registrava 30.000 mortos pelo novo coronavírus, com mais de 500.000 casos e uma escalada que, segundo os especialistas em saúde pública, está longe do fim.

Os investidores estão no mundo da lua, insensíveis à epidemia? A resposta simples é: não. Os mercados antecipam eventos e, neste caso, estão antecipando uma reabertura da economia e uma recuperação pós-pandemia que também poderá ser histórica. As oportunidades criadas pela crise levaram mais de 500.000 investidores brasileiros a comprar ações em 2020, como mostra a reportagem de capa desta edição. É a continuação de um fenômeno iniciado há três anos, com uma queda histórica dos juros.

Sem o conforto da poupança, uma leva inédita de brasileiros, sobretudo jovens e mulheres, começou a comprar ações. O movimento, portanto, faz todo o sentido. Mas a volúpia com que acontece pode sinalizar um otimismo excessivo. Renato Mimica, diretor da EXAME Research, conta em entrevista para esta edição que há risco de novas ondas de contágio e que a deterioração econômica será drástica em 2020, mas que o rali nas bolsas poderá continuar com as reaberturas.

Uma reportagem desta edição mostra como o mundo está distante de uma imunização total pela covid-19, o que afastaria o risco de novas ondas de contágio. Outra matéria mergulha no Brasil que perdeu o emprego, mostrando como o avanço da tecnologia e o peso da informalidade formam uma combinação tóxica para o país. Outras incertezas no radar são a crise social e a divisão política que nos últimos dias levaram a grandes protestos nos Estados Unidos e a manifestações menores, mas violentas, no Brasil.

Como precificar um risco político dentro de uma pandemia? A confluência de incertezas deve levar a semanas caóticas pela frente. Na bolsa, e no câmbio, não há de ser diferente. O otimismo das últimas semanas deve dar lugar a uma volatilidade que combina mais com a alta octanagem deste 2020.

Como diz o cientista político Fernando Schüler em entrevista na página 23, na economia as pessoas querem dinheiro, estabilidade e paz. Mas o sistema político vive num universo paralelo, que leva a uma crescente polarização. É quando Brasília e Washington jogam contra os novos investidores ou nublam ainda mais o futuro de milhões de desempregados. Por outro lado, a pandemia tem reforçado um caminho sem volta, o da inclusão, como mostra o Guia EXAME/Ethos de Diversidade.

A conclusão que emerge do caos: uma sociedade mais justa gera mais oportunidades e cria mais riqueza. Todos sairiam ganhando se o otimismo da bolsa se comprovasse na prática. Mas a corrida seguirá com (muitas) barreiras.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.