Arte pós-pandemia: Bienal de Arte de São Paulo fica para 2021

Com pandemia ainda em progresso, Bienal de arte de São Paulo adia evento de outubro para o ano que vem e aumenta lista de eventos artísticos prejudicados

No início da quarentena, havia ainda esperança de que a 34ª edição da Bienal de São Paulo ocorresse sem transtornos. Os organizadores, inclusive, adiaram a data de setembro para outubro, para ter certeza de que se daria num cenário normalizado. Quatro meses depois, ficou claro que não será possível realizar o evento com segurança. A organização anunciou seu adiamento para setembro de 2021, mantendo a curadoria de Jacopo Crivelli Visconti. Agora o evento voltará a ocorrer em anos ímpares, como era até 1991. O tema da edição se manterá em 2021: “Faz escuro mas eu canto”, verso tirado de um poema do amazonense Thiago de Mello. A bienal de ­Gwangju, na Coreia do Sul, a de Veneza e a de Helsinque, além da suíça Art Basel, também foram transferidas para o próximo ano. A EXAME conversou com José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal e CEO do Credit Suisse Brasil.

O que levou a perceber que a edição de 2020 da Bienal seria inviável?
Se a mostra fosse mantida, a montagem precisaria começar agora. Seria impossível fazer isso sem pôr em risco a saúde de técnicos, montadores e artistas. As restrições de viagem também prejudicariam a vinda de artistas e de público. Além disso, nossa base educativa seria seriamente prejudicada, já que os estudantes da rede pública, mesmo em aula a partir de setembro, não poderão visitar museus.

Qual foi o prejuízo financeiro neste ano para a Bienal?
Em termos de contratação de serviços, nenhum. Decidimos pelo adiamento no momento exato, antes de começarmos a gastar com coisas que depois não teriam mais retorno. Porém perdemos receita. Mais da metade do orçamento da Fundação vem de receitas não incentivadas, como o aluguel de nosso Pavilhão da Bienal. Não houve a SP-Arte e outros eventos, então perdemos receita por esse caminho.

A pandemia gerou uma grave crise econômica. Em 2021, os patrocínios à Bienal vão se manter?
O dinheiro para a arte está reser­vado, de certa forma, já que a Lei ­Rouanet garante até 4% do imposto devido das empresas participantes para patrocínios culturais. A questão é: as empresas terão lucro e, por­tanto, impostos para pagar e deduzir? Essa é a grande dúvida. Muitas empresas sofreram, muitas não. A maioria de nossos apoiadores são grandes empresas. Poderá haver, sim, um impacto, mas nossa estratégia é ampliar a base de apoiadores.

O que o governo federal poderia fazer para ajudar artistas a superar este momento de crise?
No mundo desenvolvido, houve apoio à cultura durante a pandemia, como na Alemanha. Aqui não foi o caso. Mas temos a Lei Rouanet, mecanismo essencial para a arte no Brasil. Esperamos que não mexam nisso.

 


 


SÉRIE

Sabores latinos

A segunda temporada da série documental gastronômica Street Food desembarca em Salvador | Guilherme Dearo

Dos mesmos criadores do sucesso Chef’s Table, o seriado Street Food sai dos restaurantes com estrelas Michelin e explora a comida de rua de grandes cidades. Nas pequenas barracas e food trucks é possível encontrar algumas das expressões mais genuínas — e deliciosas — da gastronomia local. Depois de viajar pela Ásia na primeira temporada, continente considerado o berço desse tipo de culinária, e passar por cidades como Osaka, Bangcoc e Ho Chi Minh, a série chega à América Latina. Em seis episódios, o programa explora Buenos Aires, Salvador, Bogotá, La Paz, Oaxaca e Lima. Na cidade de Salvador, o documentário mostra algumas das especialidades baianas: feijoada, moqueca apimentada, pirão de aipim com carne de sol e calabresa, acarajé e abará. Tudo isso, claro, bem explicado e muito contextualizado para o público internacional, sedento por entender a mistura das culturas portuguesa e africana e expressões populares, como o candomblé e a capoeira.

Street Food América Latina | 21/7, na Netflix

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.