Papa canoniza dez santos, incluindo padre holandês morto por nazistas

A cerimônia de santificação assistida por 50 mil pessoas, na Praça de São Pedro, foi a primeira grande aglomeração da Igreja Católica depois da pandemia
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
Por Da redação, com agênciasPublicado em 15/05/2022 19:10 | Última atualização em 15/05/2022 19:10Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Dez novos santos da Igreja Católica Romana foram canonizados neste domingo, 15. Entre eles, um padre holandês antinazista assassinado no campo de concentração de Dachau e um monge eremita francês assassinado na Argélia.

Em uma cerimonia assistida por mais de 50 mil pessoas na Praça de São Pedro, aos 85 anos e usando cadeira de rodas devido a dores no joelho e na perna, o papa discursou sobre a história de cada um dos santificados.

Francisco demonstrou estar com a saúde fragilizada, mancou em direção a uma cadeira atrás do altar, mas se levantou para cumprimentar individualmente alguns participantes.

Entre os outros oito que foram canonizados neste domingo estão Devasahayam Pillai, que morreu por se converter ao cristianismo na Índia do século 18, e Cesar de Bus, um padre francês do século 16 que fundou uma ordem religiosa.

Os outros eram dois padres italianos, três freiras italianas e uma freira francesa, todos tendo vivido entre os séculos XVI e XX.