A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Fundo da Arábia Saudita compra clube inglês por R$ 2,2 bilhões; entenda

Após 18 meses, a aquisição foi sacramentada depois de aprovação da Premier League.

Um fundo de investimentos de 430 bilhões de dólares ligado ao governo da Arábia Saudita concluiu a compra do clube inglês Newcastle United nesta quinta-feira, 7. Após 18 meses, a aquisição foi sacramentada depois de aprovação da Premier League.

Segundo a imprensa britânica, o consórcio formado pelo Fundo de Investimento Público (PIF) da Arábia Saudita, PCP Capital Partners e RB Sports & Media comprou o time da Premier League por 300 milhões de libras ( 2,2 bilhões de reais, em conversão direta).O Newcastle pertencia ao empresário britânico Mike Ashley desde 2007, que tinha sua gestão criticada pelos torcedores por falta de investimento.

O negócio avançou após o governo árabe, a liga inglesa e a emissora "beIN Sports", do Catar, resolveram um imbróglio sobre transmissões do Campeonato Inglês. A aquisição, liderada pela executiva-chefe da PCP Capital Partners, Amanda Staveley, encerra um era no clube e significa que o Newcastle será um dos times mais ricos do mundo. Torcedores comemoraram o negócio em frente ao estadio do clube.

Yasir Al-Rumayyan, que é considerado "governador" do PIF -- indicado para o cargo em 2015 por Mohammad bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita --, se tornará presidente executivo do Newcastle United.

O novo presidente do clube promete que o negócio significará um investimento de longo prazo para aproveitar o potencial  e construir um legado no clube. "Estamos extremamente orgulhosos de nos tornarmos os novos proprietários do Newcastle United, um dos clubes mais famosos do futebol inglês. Agradecemos aos torcedores do Newcastle por seu apoio tremendamente leal ao longo dos anos e estamos ansiosos para trabalhar com eles", explicou.

O Newcastle se tornou o 14º clube da Premier League a ter proprietários de maioria estrangeiros e torcedores que esperam que seja o início de uma nova era como ocorreu com o Manchester City, que dominou o futebol inglês desde que foi comprado pelo grupo de Abu Dhabi, dos Emirados Árabe em 2008.

A investida do fundo saudita no futebol é acusada pela diretora da ONG da Anistia Internacional, Kate Allen, como exemplo de artificio que governos ditatórias utilizam para esconder suas ações contra os direitos humanos. "Premier League corre o risco de ser usada por aqueles que querem seu prestígio e glamour para cobrir ações profundamente imorais", explicou. 

O governo da Arábia Saudita nega as acusações de abusos dos direitos humanos e diz que está protegendo a segurança nacional de extremistas e atores externos. O país vem buscando cada vez mais ativos esportivos de alto nível, incluindo a assinatura de um contrato de 10 anos para sediar a Formula 1 e sediar a luta pelo título dos pesos pesados ​​de Anthony Joshua em 2019.

Torcedores do Newcastle United comemoram no St James 'Park após o anúncio de que a aquisição do Newcastle liderada pelos sauditas foi aprovada

 (Owen Humphreys/PA Images/Getty Images)

Além da questão politica, o negócio também será observado pela UEFA por conta do "Fair Play Financeiro". A regra define, em linhas gerais, que os clubes só podem gastar o que conseguem arrecadar. Mesmo com um dos donos mais ricos do mundo, o clube não poderá receber valores de maneira discriminada, e caso isso ocorra, pode ser punido. 

Na atual temporada, o Newcastle não venceu nenhuma das sete primeiras partidas da Premier League e está na penúltima posição. O clube de 128 anos já venceu quatro vezes o campeonato inglês e seis vezes a Copa da Inglaterra. Porém, a última vez que o time levantou um troféu nacional foi em 1955. Desde então, o Newcastle foi rebaixado duas vezes e não termina entre os dez primeiros da Premier League desde 2012.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também