Fatura de R$ 377 mil no cartão de crédito: como Gabi Brandt vai pagar a conta?

Segundo a influenciadora digital, valor não é muito diferente do que ela vem pagando nos últimos meses
Gabi Brandt: influenciadora digital é uma das mais bem pagas na internet. (Redes sociais/Reprodução)
Gabi Brandt: influenciadora digital é uma das mais bem pagas na internet. (Redes sociais/Reprodução)
D
Da Redação

Publicado em 06/07/2022 às 19:58.

Última atualização em 06/07/2022 às 20:49.

A influenciadora digital Gabi Brandt pode estar com o mesmo questionamento que muitos brasileiros neste momento: como vou pagar a fatura do meu cartão de crédito? Só que no caso da criadora de conteúdo, o caso é um pouco diferente. Trata-se de uma fatura no valor de R$ 377.719,90.

Em um vídeo compartilhado por Yanka Barreiros, também influenciadora digital, Gabi mostra a conta em seu celular. "Vocês acham que é meme os R$ 300 mil de cartão? Não é R$ 300 mil. É R$ 377 mil".

Em dúvida sobre qual é o cartão de crédito ideal para o seu perfil e estilo de vida? Descubra neste teste gratuito

Gabi brinca com a situação e diz em seguida que não sabe como vai pagar a fatura. "Como vou pagar? Eu também não sei"?

Em uma live recentemente em seu Instagram, Gabi afirmou que o valor de R$ 300 mil tem sido "a média das últimas faturas" de seu cartão nos últimos meses. Ela explicou que usa o cartão para pagar suas viagens internacionais, assim como seus gastos fora do país.

Mas, muito possivelmente, a influenciadora vai conseguir pagar a fatura sem dor de cabeça. Segundo informações divulgadas pela coluna do jornalista Leo Dias, em 2020, Gabi é uma das famosas que mais enriqueceu através de publicações pagas (publiposts) nas redes sociais.

Há dois anos atrás, quando tinha "apenas" 5,6 milhões de seguidores — hoje o número ultrapassa os 7,3 milhões — ela cobrava de R$ 16 mil a R$ 20 mil por uma publicação em seu feed. Um Storie (vídeo que tem 15 segundos e desaparece após 24h) custava R$ 10 mil. Já um IGTV, formato de vídeo mais longo, custava R$ 25 mil. A coluna ressalta que, em 2018, quando Gabi tinha 1,8 milhão de seguidores, a influencer cobrava R$ 6.500 por um anúncio, quase três vezes menor que os números de 2020.

Nas redes sociais, internautas ficaram impressionados com o valor. Alguns fizeram piada sobre o assunto e outros criticaram a "ostentação" da influenciadora. "A Gabi Brandt gasta na fatura mensal do cartão o valor de um imóvel confortável e acha normal postar isso num país onde há 33 milhões de pessoas passando fome!", criticou uma internauta.

Quem é Gabi Brandt?

Gabi Brandt nasceu em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, e ficou famosa após participar do programa da MTV "De férias com ex". Em 2019, casou-se com Saulo Poncio, com quem ficou até o começo deste ano.

LEIA TAMBÉM: Saiba como funciona a pílula contra ressaca que já esgotou na Europa

Como evitar dívidas no cartão de crédito?

1. Defina um limite pessoal

Estipular um teto para manter os gastos sob controle é essencial. Levante seus rendimentos e determine a quantia máxima que você será capaz de pagar mensalmente - este será o valor máximo que a sua fatura deverá ter por mês.

É recomendado que o limite seja de, no máximo, 50% da sua receita líquida. Os bancos costumam liberar um valor arbitrário, mas você pode ajustá-lo como preferir.

2. Tenha atenção ao prazo de vencimento da fatura

Com tantas contas de produtos e serviços para quitar todos os meses, é comum esquecer de pagar algumas no fluxo. Mas nada se compara ao problemão que seria esquecer de pagar a fatura do cartão de crédito, dados os juros altíssimos que começam a ser cobrados em decorrência desse atraso.

Então, esteja sempre atento à data de vencimento da sua fatura. Anote o dia na sua agenda, configure lembretes ou notificações no celular ou no próprio aplicativo do banco para ser avisado assim que a data chegar mensalmente.

3. Anote e acompanhe os gastos

Para garantir que tudo esteja sob controle, é importante ter visibilidade sobre seus gastos. Mas isso não significa que você precisa anotar tudo manualmente. Hoje, já existem maneiras de fazer esse acompanhamento de maneira automatizada.

No aplicativo do BTG Pactual, por exemplo, além de acompanhar seus gastos diários, os clientes têm uma visão das categorias (alimentação, lazer, compras, etc.) que mais pesam em seu orçamento e recebem dicas de organização de acordo com seus hábitos financeiros.

4. Fuja de compras desnecessárias e impulsivas

O cartão de crédito dá a falsa impressão de que temos mais dinheiro e que podemos gastar mais. Mas sabemos que não é assim: limite não significa dinheiro na conta!

Às vezes, pode ser difícil controlar o impulso, principalmente ao se deparar com “ofertas imperdíveis” e promoções com bom custo-benefício. Porém, antes de sair gastando, é essencial ponderar se você realmente precisa daqueles produtos ou serviços, ou se é só um desejo impulsivo. Pesquise, compare preços e, se perceber que aquilo realmente não é tão necessário, adie a compra até tomar uma decisão mais consciente.

5. Não exagere nos parcelamentos

Nem todas as compras precisam ser parceladas. Sempre que possível, pague à vista.

O ideal é ter moderação, já que os parcelamentos podem atrapalhar a noção do que foi gasto com um produto. Lembre-se de que, mesmo parcelada, cada compra tem um valor inteiro específico. Ao final de cada mês, as parcelas se acumularão com outras contas, o que pode dificultar o pagamento da fatura nos meses mais apertados. Por isso, sempre avalie se realmente há necessidade de parcelamento e evite se comprometer com muitas parcelas.

6. Aproveite programas de descontos e benefícios

A maioria dos cartões de crédito oferece programas de recompensas e benefícios muito interessantes aos seus titulares, como cashback, milhas, pontos e anuidade zero. É importante procurar por um cartão de crédito cujos programas de benefícios atendam às suas necessidades específicas.

Para quem tem o hábito de viajar bastante, por exemplo, um programa de milhas pode ser interessante. Já para quem tem o objetivo de poupar dinheiro, programas de cashback ou que convertem gastos em investimentos podem ser mais vantajosos.