Empresário que fatura R$ 749 mil por mês dá dicas para começar empreender

Aos 38 anos, Graham Cochrane tem dois negócios online e afirma trabalhar apenas cinco horas por semana
Confira três dicas para quem quer começar a empreender no digital (Instagram/Reprodução)
Confira três dicas para quem quer começar a empreender no digital (Instagram/Reprodução)
I
Isabela Rovaroto

Publicado em 14/04/2022 às 10:52.

Última atualização em 14/04/2022 às 14:33.

O americano Graham Cochrane começou a empreender como muita gente: estava desempregado e precisava de dinheiro. Em 2009, ele decidiu empreender com música, um assunto que sempre lhe interessou.

Ele sonhava em ser músico desde pequeno. Trabalhou como engenheiro de áudio enquanto desenvolvia em paralelo um negócio como produtor musical freelancer para artistas independentes. Ao ficar desempregado, o plano B se tornou o plano A, e Cochrane passou a se dedicar de forma integral ao negócio de produção musical.

"Nós lutamos para pagar todas as contas. Eu ganhava entre US$ 800 e US$ 1.000 por mês, enquanto minha esposa ganhava entre US$ 500 e US$ 1.000 como fotógrafa. Quando nos tornamos pais as pressões financeiras realmente começaram a aparecer", declarou o empresário à CNBC.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal.

Para complementar a renda, ele decidiu criar um blog de música chamado "The Recording Revolution" para atrair mais clientes de produção.

"Levei algum tempo para aprender a transformá-lo em um negócio lucrativo. Mas, avançando rapidamente para 2022, estou ganhando mais dinheiro com meus negócios online do que nunca como produtor", contou.

O site de Cochrane fatura sozinho US$ 40 mil (cerca de R$ 187.428) por mês, mas ele não parou por aí. Atualmente, ele ganha US$ 120.000 (cerca de R$ 562.284) por mês com seu curso que ensina a montar um negócio online de sucesso.

"Aos 38 anos, consegui algo incrível: entre meus dois negócios, trabalho apenas cinco horas por semana agora e posso passar o resto do meu tempo com minha família", contou o empresário.

Graham Cochrane compartilhou três dicas para quem quer começar a empreender no digital. Confira:

1. Venda suas habilidades

Para Cochrane, há dois pontos importantes para se dar bem na internet: conseguir mais clientes e aumentar o valor de seus produtos.

"O ponto de virada para mim foi quando tive a ideia de transformar meus conhecimentos de mixagem e gravação de áudio em um curso online. A venda de produtos digitais forneceu um fluxo de renda passiva e me permitiu ganhar muito mais dinheiro em um dia – gastando menos tempo – do que trabalhando como freelancer', afirmou.

2. Amostra grátis

O empreendedor acredita também que os doadores prosperam. "Todo o meu negócio é construído em torno de oferecer o melhor conteúdo educacional gratuito, mesmo quando eu poderia cobrar por isso. É por isso que tenho um blog, um canal no YouTube e um podcast", explicou.

"Todo conteúdo de valor que eu coloco no mundo funciona como um ímã para atrair pessoas, por meio do poder de uma pesquisa no Google ou no YouTube. É uma maneira de as pessoas descobrirem e construírem confiança comigo. Quando eu vendo um produto premium, eles estão prontos e dispostos a pagar por isso", completou.

3. Automatização

A tecnologia deve ser uma aliada na escalada do seu negócio digital. "Trabalhar apenas cinco horas por semana me ajuda a evitar o esgotamento e me permite passar mais tempo com minha família. Isso não seria possível sem a existência de sistemas automáticos", contou o empresário.

Cochrane explicou que atualmente encaminha e-mails automatizados de marketing para sua base de inscritos, assim ele não precisar encaminhar manualmente informes sobre novos produtos.

"Quando as pessoas encontram meu conteúdo, elas têm a opção de se inscrever para mais conteúdo exclusivo por e-mail. Assim que entramos em contato, tenho dezenas de e-mails pré-escritos que são enviados automaticamente".

Participe do Ranking Negócios em Expansão e esteja entre as empresas que conquistaram mais mercados