• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Startup para 'jardinagem' de cannabis medicinal recebe aporte de R$ 1,2 mi

Empresa que fornece tecnologia para plantações urbanas e "indoor", como hortas, ajusta estratégia para atender mercado de cannabis medicinal
Cannabis: legislação no Brasil permite uso medicinal apenas de produtos comprados em farmácias ou importados, mas habeas corpus que permitem plantio têm sido mais frequentes (Getty Images/danielzgombic)
Cannabis: legislação no Brasil permite uso medicinal apenas de produtos comprados em farmácias ou importados, mas habeas corpus que permitem plantio têm sido mais frequentes (Getty Images/danielzgombic)
Por Victor SenaPublicado em 02/09/2021 12:14 | Última atualização em 03/09/2021 10:56Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Mesmo que a lei brasileira restrinja o mercado de maconha medicinal a medicamentos que devem ser comprados em farmácias ou importados com receita médica, empreendedores já têm se antecipado e pensado em soluções de tecnologia para um futuro em que plantio da cannabis para fins medicinais possa ser permitido no país.

Fundada em 2018, a startup curitibana Favo oferece soluções para cultivo urbano indoor de plantas. A princípio, o foco da empresa era oferecer tecnologia para hortas e pequenos produtores que estão na cidade.

Com um avanço de 300 para 1.600 clientes nos últimos dois anos, a aposta agora também é mostrar que os produtos valem para futuros produtores de cannabis.

A startup recebeu nesta semana seu terceiro e maior aporte, de 1,2 milhão de reais, a partir de uma rodada de captação em que o modelo de negócio vendido foi esse: as soluções de tecnologia melhoram a produtividade da cannabis.

Hoje, só podem plantar cannabis no Brasil instituições de pesquisa ou associações de pacientes que conseguem habeas corpus na justiça.

O número dessas permissões tem até crescido, o que já representa uma clientela potencial para a Favo, mas é numa permissão ampla — dentro da lei — que a Favo está mirando seu crescimento.

O projeto de lei 399, que foi aprovado em comissão especial na Câmara, mas ainda precisa passar por todos os trâmites de plenário, Senado e sanção presidencial autoriza o plantio de cannabis por associações, empresas e instituições de pesquisas para fins medicinais.

"Eu, como startup, ajo de forma local mas penso globalmente. Então eu olho para o mercado brasileiro e vejo que ele está desatendido nesse aspecto do cultivo protegido como um todo, não só para cannabis", explica Marcelo.

Marcelo startup favo

Marcelo Pinhel: "Se hoje no Brasil o que eu consigo é atender ao mercado medicinal, ótimo." (Favo/Divulgação)

A empresa foi fundada por Marcelo Pinhel, que desenvolveu um dispositivo com sistema de irrigação automatizada e sensoriamento do ambiente. Esse sistema monitora informações como luminosidade, umidade e temperatura. O usuário tem acesso a tudo isso via aplicativo, disponível para iOS e Android, e conta com suporte técnico 24 horas por dia, sete dias por semana.

A ferramenta também controla a irrigação que é feita com os fertilizantes diluídos, com precisão para evitar desperdícios. Por mais que esteja localizada em Curitiba (PR), a Favo Tecnologia faz vendas para o Brasil inteiro e já registrou transações internacionais para países como EUA, Canadá, Reino Unido, Austrália, Uruguai e Chile.

De acordo com Pinhel, as vendas internacionais são principalmente para clientes que cultivam a cannabis.

"Se hoje no Brasil o que eu consigo é atender ao mercado medicinal, ótimo. Fora do Brasil eu consigo atender o uso adulto recreativo? Ok. Vamos começar a exportar."

O principal subproduto medicinal da cannabis é o canabidiol, substância que não tem efeitos alucinógenos e já têm estudos que comprovam eficácia no combate à rigidez muscular e convulsões, o que tornou uma indicação relativamente unânime para a epilepsia.

Outros tratamentos que têm mostrado resultados positivos são para ansiedade, insônia e dores crônicas.