Só 17% de pequenas empresas buscam crédito em banco, diz pesquisa

Em volume de tomadores de empréstimo, a queda é de quase 30% na comparação com 2015

São Paulo - Quando o assunto é crédito, os bancos e os pequenos empresários brasileiros tradicionalmente não se misturam. Este ano, essa cisão está ainda mais evidente. Apenas 17% dos empreendedores recorreram ao sistema financeiro em busca de financiamento no primeiro semestre de 2016.

Em volume de tomadores de empréstimo, a queda é de quase 30% na comparação com 2015. Os dados fazem parte de uma pesquisa que será divulgada nesta segunda-feira, 21, pelo Sebrae e pelo Banco Central, realizada com cerca de 7 mil microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenas empresas em todo o Brasil.

Segundo o levantamento, a maioria dos empresários nem considera bater na porta dos bancos quando sentem a necessidade de dinheiro extra para, por exemplo, engrossar o capital de giro. Na primeira parte de 2016, foi isso o que motivou metade dos pedidos de crédito direcionados às instituições financeiras.

As taxas de juros cobradas, em média de 4,5% ao mês, e a falta de garantias para oferecer como contrapartidas aos empréstimos são os pontos que mais afugentam os empresários dos bancos.

Dos que procuraram as instituições, 27% tiveram o empréstimo negado - as recusas de empréstimos pelos bancos cresceram 59% na comparação com o mesmo período de 2015.

Para o presidente do Sebrae Guilherme Afif Domingos, o resultado reflete a crise, mas não se explica apenas por isso. "Mais do que conjuntural, o mercado tem uma falha estrutural. O banco ainda não é uma alternativa viável para o pequeno empresário", diz. "Enquanto os Estados Unidos têm um infinidade de bancos, no Brasil cinco instituições concentram 80% das operações", destaca. Segundo o banco central dos Estados Unidos, existem 5.340 bancos no Pais.

Ciclo maior

Sem contar com o banco, o empresário acaba recorre a fontes alternativas de financiamento. Segundo a pesquisa, no primeiro semestre de 2016, 52% dos empreendedores negociaram prorrogações de prazos de pagamento junto a fornecedores e 27% utilizaram cheques pré-datados.

Na opinião de Afif Domingos, as práticas estendem a dificuldade de caixa para toda a cadeia envolvida com as pequenas empresas. "Ao vender com prazo maior, o fornecedor também se endivida", afirma.

Pessoal

A pesquisa também mostra que o número de financiamento concedidos às pessoas físicas cresceu de 23% para 35%. Segundo o levantamento, a maior parte dos pequenos empresários acha mais fácil pedir financiamento no seu banco de relacionamento pessoal, mesmo tendo que pagar taxas de juro superiores.

Foi o que aconteceu com Newton Marchioni, dono de uma distribuidora de alimentos congelados em São Paulo. No começo do ano, ele procurou os bancos para levantar R$ 40 mil a ser investido na expansão da empresa. Não conseguiu.

"Ouvi que não tenho perfil para a captação porque meu faturamento de R$ 60 mil por ano é baixo" diz. Para não perder a oportunidade, ele pegou o dinheiro como pessoa física. "Estou pagando uma taxa muito maior e vou demorar mais tempo para conseguir quitar o empréstimo, mas não tinha alternativa", diz Marchioni. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também