Rede de franquias fatura R$ 150 milhões vendendo arroz e feijão “in box”

A Brasileirinho Delivery começou como um restaurante de comida tradicional brasileira em 2013, na cidade de São José do Rio Preto, interior de São Paulo

Os problemas do cotidiano podem gerar ótimas ideias de negócio. Foi assim que o empreendedor Jhonathan Ferreira teve a ideia de criar a Brasileirinho Delivery. Em 2012, o jovem recém-formado não tinha tempo para cozinhar suas refeições e dependia dos pratos da rede de comida oriental China in Box. Depois de algum tempo, ele começou a sentir falta de comer comida caseira. Foi assim que teve a ideia de criar uma rede que vendesse pratos com arroz e feijão na caixinha. Sete anos depois, seu negócio deve terminar o ano faturando 150 milhões de reais.

Mas Ferreira não embarcou nessa jornada sozinho. Ele construiu a ideia da Brasileirinho com o amigo Adriano Massi. Juntos, eles criaram o primeiro restaurante da rede em 2013, na cidade de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. A marca nasceu com o conceito de comida pronta para viagem. As refeições todas eram servidas na caixinha e as carnes já vinham em pedaços pequenos, para que o cliente não precisasse cortá-las.

Com um ano de operação, a unidade de São José do Rio Preto faturou cerca de 480.000 reais. Satisfeitos com o resultado, os sócios decidiram que era hora de entrar no mercado de franchising. Em setembro de 2014, a primeira franquia foi comercializada para a cidade de Belo Horizonte. Hoje, a rede já conta com 110 unidades instaladas em mais de 84 cidades brasileiras.

Com ajuda dos franqueados, a rede foi adaptando seu cardápio para se adequar aos gostos do cliente. Hoje, itens como escondidinho de frango com catupiry, bobó de camarão e galinhada estão presentes no menu. O tíquete médio de uma refeição para delivery com bebida e sobremesa é de 40 reais.

A rede pede dos franqueados um investimento inicial de 215.000 reais. Segundo a marca, o tempo médio de retorno do capital investido varia de 18 a 24 meses. Sobre o faturamento mensal de cada unidade, a franqueadora cobra uma taxa de 3% a 3,5% de royalties.

brasileirinho delivery franquia restaurante Jhonathan Ferreira, fundador do Brasileirinho Delivery: o empreendedor decidiu criar um restaurante com comidas brasileiras servidas na caixinha

Jhonathan Ferreira, fundador do Brasileirinho Delivery: o empreendedor decidiu criar um restaurante com comidas brasileiras servidas na caixinha (Brasileirinho Delivery/Divulgação)

Covid-19 favoreceu o delivery

A rede de franquias vinha crescendo consistentemente ao longo dos últimos três anos, com o faturamento anual passando de 50 milhões de reais em 2017 para 123 milhões no ano passado. Este ano, com a chegada da pandemia, o volume de pedidos só aumentou.

Segundo Ferreira, a recorrência dos clientes subiu e as vendas aumentaram 16% de março até então na comparação ano a ano. “A nossa representatividade de vendas no salão é baixa, o cliente prefere receber o produto em casa ou no escritório”, diz o empreendedor.

Impulsionada pela alta do delivery, a rede da Brasileirinho deve fechar 2020 com faturamento de 150 milhões de reais e projeta chegar a marca de 140 franquias em operação. Já para 2021, os planos são mais ambiciosos: terminar o ano com 180 lojas em operação e faturamento entre 180 e 200 milhões de reais. “Nosso departamento de expansão está atuando bem forte para que isso seja possível”, diz Ferreira.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.