Por que grandes empresas estão em busca de boas ideias das startups

O investimento de grandes empresas na inovação das startups, o corporate venture, triplicou desde 2014 e movimenta 57 bilhões de dólares ao ano no mundo

Com a pandemia deixando os profissionais de saúde de cabelo em pé na busca por maneiras eficientes de atender a multidão de pacientes em clínicas e leitos de UTI, dois laboratórios de medicina diagnóstica concorrentes — o paulistano Fleury e o brasiliense Sabin — juntaram forças nos últimos meses para ir atrás de um ativo essencial para enfrentar os atuais tempos adversos: boas ideias.

Em 2018, antes da pandemia, executivos das duas companhias já haviam viajado juntos para Israel, numa tentativa de aproximação com o ecossistema de startups daquele país, um dos mais inovadores do mundo.

Em novembro, elas criaram o Kortex Ventures, um fundo de 200 milhões de ­reais para investimentos em até 18 startups com inovações na saúde pelos próximos quatro anos.

O aporte de Sabin e Fleury no Kortex é uma das quantias mais altas do Brasil de investimento corporativo em negócios de tecnologia, mercado conhecido pelo jargão “corporate venture capital”, ou CVC.

É um tipo de aporte diferente do venture capital tradicional, o chamado VC, uma vez que envolve executivos de grandes empresas interessados em adquirir startups para adotar as soluções delas nos próprios negócios (o VC tradicional costuma ser conduzido por gestores de investimentos sem ligação com as empresas).

No CVC, a busca é por ideias com potencial de transformação de um negócio estabelecido. “Percebemos que trazemos mais valor para as investidas juntos. Por isso, decidimos estruturar um veículo único de investimentos”, diz Carlos Marinelli, presidente do Grupo Fleury.

O investimento em startups por fundos como o Kortex vem ganhando espaço no mundo. Em cinco anos, a soma dos cheques assinados por grandes corporações triplicou ­— no dado mais recente, de 2019, mais de 57 bilhões de dólares foram gastos dessa maneira, segundo a consultoria CB Insights.

Até pouco tempo um tipo de aporte marginal no ecossistema empreendedor, o CVC hoje responde por praticamente 25% dos recursos globais destinados a startups.

Entenda como funciona o corporate venture na edição deste mês da EXAME.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.