• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Para se aproximar das startups, Via Varejo compra participação na Distrito

A Distrito é uma startup que administra um ecossistema de inovação para impulsionar as pequenas empresas de tecnologia brasileiras
Via Varejo: a varejista comprou 16,67% de participação na Growth Partners, sociedade que controla a Distrito (Divulgação/Divulgação)
Via Varejo: a varejista comprou 16,67% de participação na Growth Partners, sociedade que controla a Distrito (Divulgação/Divulgação)
Por Carolina IngizzaPublicado em 09/11/2020 09:47 | Última atualização em 09/11/2020 11:58Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A Via Varejo, dona das marcas Ponto Frio e Casas Bahia, anunciou na manhã desta segunda-feira, 9, ter comprado uma participação de 16,67% na startup brasileira Distrito, que gerencia um hub de empresas de inovação brasileiras. O valor da transação não foi divulgado.

O movimento faz parte da estratégia da varejista brasileira de consolidar sua transformação digital e aproximação do mercado de inovação. O presidente da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, disse que a parceria é uma forma da empresa se conectar ao ecossistema de startups como um todo, sem precisar analisar cada negócio por vez. “O Distrito está mergulhando na Via Varejo em busca de oportunidades para nós”, disse o executivo.

A chegada do novo coronavírus fez o digital virar a prioridade total da empresa. No mês de março isolado, o e-commerce representava 34% das vendas da Via Varejo e pulou para 80% na pandemia. O número de usuários dos aplicativos das marcas dobrou durante a pandemia, de 8 milhões para 15,5 milhões.

Em algumas frentes, como logística, a aquisição de empresas foi a solução encontrada pela varejista para ganhar tempo. Logo no começo da crise a Via Varejo comprou a startup Asap Log, especializada na chamada “última milha da entrega”. Suas soluções usam o que estiver disponível: motoboys, motoristas de aplicativo e uma rede de entregadores cadastrados. A tacada, de valor não revelado, economizou um ano de desenvolvimento de uma solução interna.

Agora, segundo Fulcherberguer, a varejista olha para o longo prazo e quer se diferenciar do restante do mercado. A principal concorrente da Via Varejo hoje, o Magazine Luiza, mantém um relacionamento estreito com o mercado de inovação. Só em 2020, o Magalu adquiriu a operação da ComSchool, AiQFome, Hubsales, Stoq, Canaltech e a plataforma de mídia da InLoco.

socios da distrito - via varejo - investimento

Gustavo Gierun, David Laloum e Gustavo Araujo, sócios da Distrito (Paulo Henrique Teodoro/Distrito/Divulgação)

Os planos da Distrito

A Distrito, fundada em 2014 por Gustavo Araujo e Gustavo Gierun, atua como um hub de inovação no ecossistema brasileiro de tecnologia. A empresa conecta mais de 300 startups a grandes empresas, investidores e acadêmicos em sua plataforma. Em 2020, foi eleita o melhor hub de inovação do país na premiação Startup Awards, da Associação Brasileira de Startups.

Durante a pandemia, a Distrito precisou fazer ajustes em seu negócio. Até março, 150 startups eram residentes em suas instalações físicas, mas o isolamento social forçou a empresa transportar seu ecossistema para o mundo digital na plataforma Distrito Network.

Com o investimento da Via Varejo, a startup pretende alavancar a sua plataforma digital. "No começo da pandemia, uma startup para participar do programa do Distrito tinha que estar em um dos prédios que a gente tem. No digital, essa barreira física que a gente tinha deixou de existir, o investimento vem para solidificar esse caminho", diz Gustavo Araujo.

A startup pretende usar o capital para investir em tecnologia, contratar mais pessoas (hoje são 88 funcionários), criar novos produtos e fazer aquisições. Esse foi o primeiro investimento externo que a empresa recebeu.