Na corrida pelo táxi aéreo do futuro, esta startup capta US$ 242 milhões

A alemã Volocopter GmbH levantou uma nova rodada para acelerar seus planos de iniciar operações em Singapura

A Volocopter GmbH levantou 200 milhões de euros (242 milhões de dólares) em capital adicional, no mais recente movimento de uma corrida cada vez mais competitiva para ser a primeira empresa de táxi aéreo elétrico a iniciar voos comerciais.

A captação atraiu novos investidores, incluindo a operadora de rodovias e aeroportos Atlantia SpA, a fabricante de pneus Continental AG, NTT, Avala Capital e fundos administrados pela BlackRock, disse a Volocopter em um comunicado na quarta-feira. A subscrição de ativos superou a oferta e todos os investidores existentes participaram.

A Volocopter planeja iniciar operações comerciais em Singapura em 2023 e passagens para voos turísticos de 15 minutos já estão à venda por 300 euros. A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos também avalia um pedido de certificação, abrindo a possibilidade de voos em cidades como Los Angeles, Nova York, São Francisco e Washington nos próximos dois a três anos.

A arrecadação de fundos ocorre em meio a uma enxurrada de investimentos no setor emergente de mobilidade aérea urbana, enquanto as empresas de táxi aéreo se acotovelam para trazer tecnologias rivais ao mercado.

A Joby Aviation no mês passado concordou em se fundir com a Reinvent Technology Partners, uma empresa formada pelos fundadores da LinkedIn Corp. e Zynga Inc., tornando-se pública. A transação deve gerar cerca de US$ 1,6 bilhão.

No início de fevereiro, o banqueiro Ken Moelis fechou outro acordo com a SPAC para listar a Archer, desenvolvedora de táxis voadores da Califórnia. A transação deve gerar cerca de US$ 1,1 bilhão em receita bruta e envolve um investimento de US $ 20 milhões da United Airlines Holdings Inc., que disse que poderia comprar 200 veículos da empresa para levar os clientes ao aeroporto.

A Volocopter, que arrecadou 322 milhões de euros no total, disse que o novo financiamento vai “solidificar” sua posição em mobilidade aérea urbana, ajudando na certificação de seu modelo VoloCity e acelerando o lançamento de rotas comerciais. O exemplar de dois lugares, movido por equipamentos elétricos, realizou seu primeiro teste tripulado em 2011 e, desde então, completou mais de 1.000 voos.

A empresa, cujos patrocinadores incluem as montadoras Daimler AG e Geely Automobile Holdings Limited, bem como a DB Schenker e o braço de capital de risco da fabricante de chips Intel Corp., estão buscando a aprovação da FAA, da Agência Europeia de Segurança da Aviação e de autoridades de Singapura.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.