Gympass lança maquininha de cartão própria para academias parceiras

O novo produto, feito em parceria com a fintech Hash, vai permitir que as academias da rede do Gympass tenham acesso a benefícios e preços mais baixos

Depois de um ano difícil para o setor de academias e ginástica, o Gympass lança um novo produto para seus parceiros. O unicórnio brasileiro vai disponibilizar a todas as empresas de atividade física cadastradas na sua plataforma a possibilidade de ter uma maquininha de cartão de crédito do Gympass, feita em parceria com a fintech Hash

“O setor de academias, sem dúvidas, foi um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. Desde o início, estamos focados em buscar alternativas para ajudar essa ponta tão importante dentro do nosso ecossistema. Agora, graças a tecnologia fornecida pela Hash, nossos parceiros poderão contar com taxas e benefícios que uma academia sozinha não conseguiria ter”, afirma Samir Zetun, vice-presidente de academias do Gympass.

A partir deste mês, a maquininha Gympass Plus pode ser contratada pelos estabelecimentos parceiros da startup de forma online pelo site. As academias que optarem pela novidade não terão que pagar mensalidade pela máquina, somente uma taxa por transação — que varia entre 0,91% e 2,50%.

“Sabemos das dificuldades enfrentadas pelas academias nos últimos meses e temos certeza de que a maquininha de pagamentos será mais uma fonte de renda e crescimento para o setor”, afirma João Miranda, fundador e presidente da Hash.

hash-startup-fintech-pagamentos HASH: startup quadruplicou valor transacionado e faturamento durante pandemia

HASH: startup quadruplicou valor transacionado e faturamento durante pandemia (Paulo Vitale/Hash/Divulgação)

A Hash é uma "fábrica de fintechs". A empresa oferece toda a infraestrutura tecnológica para que qualquer grande empresa possa oferecer serviços financeiros personalizados a seus clientes. Antes do Gympass, seu maior caso de sucesso era com a Leo Madeiras, que ofereceu uma máquina de cartão para a sua rede de marceneiros parceiros possibilitando a antecipação de recebíveis e parcelamento de compras com a fornecedora.

Em 2018, a fintech recebeu um aporte de 3,5 milhões de dólares do fundo Kaszek. Foi em um encontro entre empresas investidas pelo fundo que João Miranda se aproximou do Gympass. “Eles estavam testando um modelo de revenda de maquininhas. Este ano, quando perceberam que queriam ter uma maquininha própria, decidimos trabalhar juntos”, diz Miranda.

Hoje, a Hash tem mais de 15.000 estabelecimentos usando suas maquininhas na ponta. Em 2019, a empresa terminou o ano com faturamento de 2 milhões de reais, e prevê que este ano vai faturar 30 milhões. A receita cresceu 10 vezes no primeiro semestre do ano, e o volume processado quadruplicou desde o início da pandemia de coronavírus.

“Nosso desafio é nos manter atualizados ao que está acontecendo, A pandemia acelerou em anos a implementação de serviços digitais, quem não acompanhar isso fica para trás”, afirma o fundador. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.