A página inicial está de cara nova Experimentar close button

A receita do Grupo Burguês para multiplicar um faturamento de R$193 mi

Grupo que reúne hamburguerias e pizzaria triplicou de tamanho durante a pandemia e já projeta faturar R$ 200 milhões

Há 4 anos, quando os amigos Gabriel Régis, Felipe Mendes, Diego Pampolha e Rafael Freire decidiram abrir uma hamburgueria para dar uma cara mais profissional ao delivery, a ideia parecia incomum. Afinal, eram poucos os estabelecimentos que entendiam o canal como prioridade. Da ideia nasceu a O Burguês, já voltada para o delivery, com uma operação mais enxuta, que considera as entregas desde a escolha das embalagens até a logística.

  • Implemente o marketing digital e impulsione as vendas do seu negócio: saiba como!

O modelo de negócio deu origem a outras 30 operações pelo Brasil, além de duas novas marcas: uma pizzaria e uma hamburgueria premium, os restaurantes O Fornês e a Ex-Touro.  Assim foi criado o grupo carioca Burguês.

Com as três marcas, o Grupo tem pouco mais de 70 lojas em nove estados, sendo 50 delas em modelo de franquia — grande parte delas vendidas na fase mais aguda da pandemia de covid-19. Mesmo com todos os percalços econômicos, o Grupo dobrou o faturamento em um período de 8 meses, com uma receita de 8 milhões de reais em outubro de 2020.

No acumulado do ano, a empresa triplicou de tamanho. O faturamento anual disparou de 65 milhões de reais em 2020 para 193 milhões de reais, em setembro deste ano.

O que justifica, em partes, o crescimento acelerado do Grupo — e as projeções ainda mais otimistas para o futuro — é justamente a percepção de que o delivery veio para ficar, e está longe de ser uma saída emergencial para o setor de alimentação. “Quando o delivery se mostrou uma tendência, já tínhamos certa eficiência por ali e um trabalho já estabelecido. Já tínhamos meio caminho andado”, diz Flávio Rodrigues, gerente comercial do Grupo Burguês.

"Ninguém sabia o que seria do futuro do setor. Havia uma dúvida sobre quão viável era o delivery e se de fato as pessoas iriam comprar assim, e o que vimos foi que o delivery veio para ficar e já estávamos bem adiantados no assunto”, diz.

A reabertura dos restaurantes, porém, não desanima a empresa, que mantém projeções otimistas e uma crença inabalável no poder das entregas daqui para a frente. Para 2022, a estimativa é faturar mais de 220 milhões de reais e triplicar o número de lojas.

Para chegar até lá, uma das apostas são as inaugurações ainda em 2021. Serão abertas 67 unidades das três marcas até o final do ano. Somado a isso, o Grupo lança, no segundo semestre, duas novas marcas: uma de comida árabe e uma pizzaria premium.

“Temos um campo muito grande para trabalhar nessas duas áreas, principalmente na comida árabe, um segmento ainda não tão bem explorado neste modelo de delivery”, diz.

Fique por dentro das principais tendências do empreendedorismo brasileiro. Assine a EXAME.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também