PME

Faltam empreendedores na moda, diz professor

Para Amnon Armoni, é muito raro encontrar estilistas empreendedores. A maioria dos criativos conta com um braço direito voltado para a gestão do negócio

Desfile de Alexandre Herchcovitch no SPFW 2011: gestores e estilistas se complementam (Agência Fotosite)

Desfile de Alexandre Herchcovitch no SPFW 2011: gestores e estilistas se complementam (Agência Fotosite)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de junho de 2011 às 11h54.

São Paulo – Durante esta semana, o São Paulo Fashion Week ocupou o noticiário com peças de Gloria Coelho, Alexandre Herchcovitch e Reinaldo Lourenço. Aos poucos o Brasil se consolida no cenário mundial de moda com badaladas semanas de desfiles e gênios criativos que levam o país para o mundo. “No Brasil, o criativo que começa do zero é um pouco empreendedor, mas com o tempo delega a gestão a alguém”, opina o professor de moda da FAAP Amnon Armoni.

Com experiência em grifes como Ellus e em institutos de moda em Nova Yokr, Paris e São Paulo, Armoni acredita que falta estimular o empreendedorismo tanto no campo profissional quanto nas escolas de moda. “Na Inglaterra, por exemplo, temos a semana de moda e depois as escolas tem a chance de mostrar suas criações, com a presença de personalidades. Tem um prestígio e um interesse grande em ter esse evento”, diz Armoni.

Durante os eventos brasileiros, como o SPFW, é difícil encontrar pequenos ateliês ou marcas independentes. “Esses desfiles são patrocinados, custam mais de 100 mil reais. Para os pequenos, é quase impossível conseguir investir isso”, conta o professor. Para ele, a solução pode estar na parceira com redes de varejo. “Elas deveriam ser as financiadoras desse movimento de novos talentos”, explica.

Cadê os empreendedores?
Muitas marcas consolidadas no mercado, como Gucci e Armani, são reconhecidas pela inovação e pioneirismo. Mas seus mestres artísticos não são os responsáveis pelo desenvolvimento dessas marcas como negócios milionários. “Na história da moda, sempre tivemos uma dupla entre gestão e moda. Yves saint Laurent não conseguiria sem Pierre Bergé”, opina.

Esse relacionamento separado entre gestor e criador dificultou o desenvolvimento do empreendedorismo nos novos estilistas. “A moda não existe sem gestão e precisa fazer dinheiro para se diferenciar das artes plásticas”, diz Armoni. Para isso, o professor ressalta que falta um esforço das escolas em criar mais do que estilistas e também de investidores, em criar fundos e apoiar a gestão desses negócios. “A moda é a administração do paradoxo entre criação e gestão”, justifica. 

Acompanhe tudo sobre:EmpreendedoresEmpreendedorismoFashion WeekModaPequenas empresas

Mais de PME

Mais na Exame